ÚLTIMAS

Exame mais eficaz para identificar câncer de colo de útero será feito no SUS, afirma Josué Neto


O presidente da Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam), Josué Neto, informou nesta segunda-feira (16) que um novo exame, capaz de aumentar em 100% a precisão dos diagnósticos de câncer de colo de útero, passará a ser realizado nas unidades de saúde do SUS (Sistema Único de Saúde). A medida, amplamente debatida na Assembleia por sugestão de Josué Neto, foi autorizada pelo presidente Jair Bolsonaro nesta segunda-feira (16).

A realização desse exame na rede pública começou a ser sugerida pela Assembleia Legislativa do Amazonas no início de 2016, a pedido da médica ginecologista Mônica Bandeira, que também encabeçou o movimento de vacinação contra o HPV em 2013.

O novo exame é o Papanicolau com Citologia em Meio Líquido, onde a amostra é colocada direto em um recipiente com um líquido que vai permitir a visualização mais limpa das células e do vírus com muito mais facilidade. Atualmente a amostra coletada do colo do útero é analisada em lâminas, uma por uma, no microscópio.

Segundo a médica Mônica Bandeira, o método atual aproveita apenas 20% do material coletado no exame. Já no novo método o aproveitamento é de 100%.

De acordo com Josué, o novo exame é um pouco mais caro, R$ 40, em relação ao convencional, R$ 7, mais compensará nos gastos públicos com o tratamento do câncer, que custa cerca de R$ 17 mil por cada sessão de quimioterapia.

“Essa é uma grande notícia para as amazonenses e para as mulheres de todo o país que terão um exame mais eficaz no combate a essa doença tão cruel que é o câncer de colo de útero. Parabéns ao presidente Bolsonaro que entendeu o real importância de investir neste tipo de exame. O mais importante é salvar vidas”, afirmou.

Números

O Amazonas é o Estado com maior incidência de câncer de colo uterino. Estima-se 840 novos casos sejam identificados no Amazonas até o final de 2019.

O câncer de colo uterino é um dos mais frequentes entre a população feminina e a quarta causa de morte de mulheres por câncer no Brasil.

Nenhum comentário