ÚLTIMAS

Jovens, fiquem em casa', pede mãe de homem de 26 anos morto com suspeita do novo coronavírus no Rio



Maria Aparecida tentou comprar teste para o filho, mas não conseguiu mesmo em laboratórios particulares. "Nem pude ver meu filho e me despedir", lamenta.

A voz de Maria Aparecida Martinez, de 54 anos, se alternava entre a revolta e o choro. Mãe de Gabriel Martinez, de 26 anos, morto com suspeita de Covid-19 no último sábado (21), na Tijuca, Zona Norte, ela lamenta que o filho não tenha sido testado antes e tido a chance de receber o tratamento apropriado.

Gabriel era músico, publicitário, e segundo a mãe, totalmente saudável.


"Dói muito não ouvir a chave do meu filho na porta quando ele chega do trabalho. Nem o corpo do meu filho pude ver, o vi durante dois minutos, não pude tocar, nem pude me despedir. Só tenho forças para conversar com a imprensa porque quero alertar para que as pessoas saibam que o vírus não mata só os idosos ou as pessoas com doenças. Meu filho era saudável, nunca entrou em um centro cirúrgico, fez um check-up há um mês e meio e não deu nada", conta.

A mãe do jovem detalhou a evolução do diagnóstico de Gabriel:

  • No sábado (14), o jovem estava bem e não apresentava sintomas
  • No domingo (15), Gabriel reclamou de febre e dor no corpo. "Como todos os meios de comunicação falam que devemos aguardar, nós ficamos monitorando", conta ela.
  • Na segunda-feira (16), Maria Aparecida começou a ligar para todos os laboratórios, buscando comprar o teste para seu filho, mas nenhum tinha o teste disponível.
  • Nos dias que se seguiram, Gabriel seguiu observando os sintomas e fez um tratamento com antigripais. Ele sentia congestão nasal, tinha febre e cansaço físico, mas não sentia falta de ar.
  • Na quarta-feira (18), ele foi cedo para o Hospital Badim, na Tijuca. Lá, realizou exames de sangue e um eletro que detectou uma pequena mancha no pulmão. "Como ele estava muito congestionado, achavam que podia ser por isso, acho que não levaram tão a sério", diz.
  • Ainda na quarta-feira (18), ele deixou o hospital, com uma receita de antibiótico e depois de ter tomado três bolsas de soro. Ele saiu com uma indicação para teste de covid-19, mas não conseguiu realizar o teste.
  • Nos próximos dias, Gabriel seguiu piorando e a febre não cedia.
  • No sábado (21), Gabriel voltou para o Badim e realizou um novo exame: "Nesse novo exame, mais da metade do pulmão dele já estava manchado", diz a mãe.
  • No mesmo sábado (21), Gabriel morreu. "Ouvi do médico que realmente não há teste pra todos, que era a determinação do Ministério da Saúde", diz ela.


Alerta à população

A mãe de Gabriel pede que os jovens se conscientizem e fiquem em casa.

"A gente está à mercê destas determinações, você não pode obrigar o médico a fazer, você não consegue testar particular. Eu digo pra todos que tomem muito cuidado, não são só idosos, não são só pessoas debilitadas. Jovens, fiquem em casa e se protejam. A falta de diagnóstico matou meu filho e vai matar outros", diz ela.


O que dizem os citados

O G1 entrou em contato com o Ministério da Saúde, mas não teve resposta até a última atualização desta reportagem.

O Hospital Badim enviou o seguinte texto:

O Hospital Badim esclarece que no dia 18 de março recebeu em sua Emergência um paciente de 26 anos com sintomas respiratórios agudos. Após avaliação clínica e exames complementares, na ausência de relato de doença pré-existente, e com estabilidades clínica e hemodinâmica, o mesmo foi liberado com prescrição medicamentosa compatível com seu quadro clínico e orientado a ficar em isolamento domiciliar, conforme protocolo determinado pelo Ministério da Saúde. O paciente também recebeu orientações no sentido de manter o contato ou voltar à unidade hospitalar em caso de piora do seu quadro clínico.

No dia 21, o paciente voltou à unidade com piora do quadro de saúde inicial. Após nova avaliação clínica, laboratorial e de imagem, associado a instabilidade clínica e hemodinâmica, foi submetido a suporte clínico intensivo imediato. Entretanto, com todos os esforços, o desfecho foi negativo com óbito do paciente.

Ressaltamos que todos exames de comprovação da doença epidêmica e diagnóstico diferenciais foram realizados e encaminhado aos órgãos oficiais competentes O caso foi devidamente relatado como suspeito para novo coronavírus ao CIEVS. O material de exame para testagem da Covid-19 foi encaminhado para Lacen-RJ. No entanto, só o laudo pode comprovar se o seu falecimento se deu em decorrência do novo coronavírus.

O Hospital Badim ressalta que seguiu todos os Protocolos do Ministério da Saúde e empregou todos os esforços, humanos e tecnológicos, para salvar a vida do paciente. Nos solidarizamos com os familiares e amigos do jovem. Aproveitamos para reforçar a importância de a população permanecer em isolamento social durante o período de contaminação pelo novo coronavírus.




Nenhum comentário