TCE


Mortos no Vale do Javari foram lembrados pelo Levantador de Toadas Patrick Araújo*

“Quem morreu pela Amazônia não será esquecido”, disse o levantador de toadas Patrick Araújo ao dedicar aos dois a toada ‘Vale do Javari’.

A toada de Ronaldo Barbosa, lançada em 1996 e um dos hinos do Caprichoso, cita as principais etnias que habitam aquela região, etnias essas tão defendidas em vida por Bruno Pereira e cuja história Dom Phillips buscava contar.

A primeira noite e segunda noite do Festival de Parintins já está na história da memória de todos os torcedores do Boi Caprichoso, que testemunharam um projeto grandioso na arena do Bumbódromo. Neste sábado (25), o boi negro de Parintins manteve a grandiosidade do espetáculo e apresentou a noite “Amazônia-Aldeia: O brado do povo”, para evidenciar as lutas constantes dos povos e comunidades tradicionais da grande floresta. “Resistir é reexistir. É trazer os sons dos muitos batuques emanados pelos mestres griôs brasileiros homenageados em nossa Marujada de Guerra, cuja cadência dá vida e voz às toadas caprichosas e altaneiras do Boi da Francesa e do Palmares”.

O Caprichoso, nos momentos iniciais da apresentação de hoje, destacou o item Figura Típica Regional “O Caboclo da Mata”, que vive em simbiose com seu meio. Para ele, a floresta não é um recurso a ser explorado, mas um ente vivo com o qual as relações são recíprocas e fraternas. A alegoria é assinada pela dupla Marlúcio Pereira e Márcio Gonçalves, com momentos de grandes movimentos e transformações no Bumbódromo e encheu de orgulho novamente o torcedor. A transmutação alegórica dá vida a Exaltação Folclórica “Boi de Quilombo”, Neste ato, o Boi Caprichoso retratou o legado sociocultural dos povos africanos na Amazônia. Herança que foi por muito tempo renegada, sob a alegação de que pequenos contingentes de escravizados não teriam deixado traços marcantes por esta região.

Em seguida, o Bumbódromo cantou “Maria Fumaça”, toada do compositor Ronaldo Barbosa onde apresentou a Lenda Amazônica “Os trilhos da morte”. A narrativa resulta do processo de construção da ferrovia Madeira-Mamoré (1907-1912), que fez permanecer no imaginário das populações do Vale do Guaporé, no estado de Rondônia, impressões sobre o desastre humano que ela representou e histórias de visagens que nunca abandonaram os batentes da estrada de ferro engolida pela mata, transformada em cemitérios para abrigar os restos mortais dos infelizes aventureiros, que nunca retornaram para suas casas. A concepção alegórica deste momento é assinada pelo Artista Geremias Pantoja.

O item Ritual Indígena então pediu passagem na apresentação com “Wayana-Apalai”. Os Wayana e os Apalai são povos de língua karib que habitam a
região de fronteira entre o Brasil (Rio Parú de Leste, Pará), o Suriname (rios Tapanahoni e Paloemeu) e a Guiana Francesa (alto Rio Maroni e seus
afluentes Tampok e Marouini). O artista Kenedy Prata, cria da Escolinha de Arte do Boi Caprichoso, construiu juntamente com sua equipe um grande momento alegórico para mostrar ao mundo encontro desses dois povos (Os Wayana e os Apalai) na arena do Bumbódromo.

A apresentação apoteótica da segunda noite do boi negro da Amazônia terminou com Momento Tribal Rito de Resistência “Mulheres-Floresta: As guardiãs da vida”, o qual evidencia a luta de mulheres guerreiras que até hoje inspiram movimentos de empoderamento feminino contra o patriarcado enraizado na sociedade vigente. O Caprichoso se unirá à luta das mulheres indígenas, quilombolas, pescadoras, extrativistas, que unidas são sentinelas da resistência. São elas que mantêm a floresta de pé.

Para o presidente do Caprichoso, Jender Lobato, o manifesto do bumbá resgata lutas históricas e acompanha discussões atuais sobre a exploração desenfreada da Amazônia. “Temos muito orgulhoso desse projeto, pois sabemos o quanto ele é atual e necessário. Nossa luta é pelo fim de toda ganância imposta à grande floresta, que assola e devasta populações tradicionais, proprietárias deste chão milenar. O Caprichoso manteve a grandiosidade da primeira noite e tenho absoluta certeza que o torcedor saiu daqui, novamente, orgulhoso do boi negro de Parintins e neste domingo vamos abrilhantar ainda mais o festival de Parintins “, enfatiza.