O presidente Jair Bolsonaro participou nesta quinta-feira, 8, da tradicional live realizada no YouTube. Durante a conversa com os internautas, o chefe do Executivo federal falou sobre a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid-19, a obrigatoriedade do uso de máscara e as medidas restritivas para contenção do novo coronavírus.

CPI da Covid

Para o presidente da República, a CPI da Covid não está preocupada com a verdade. “Por que essa comissão não convocou Carlos Gabas, o operador do Consórcio do Nordeste?”, perguntou. “Ele simplesmente sumiu com R$ 50 milhões; não comprou um respirador sequer. O objetivo da CPI é apenas desgastar o governo.”

Bolsonaro ironizou a acusação contra o governo federal sobre a suposta compra de 400 milhões de doses de imunizantes superfaturados em 1.000%. “Nessa conta, eu teria de gastar R$ 300 bilhões em vacinas”, explicou. “Só um imbecil, como Calheiros; um hipócrita, como Aziz; e um analfabeto, como Randolfe, levam essa narrativa adiante.”

Segundo o chefe do Executivo federal, o presidente da CPI da Covid, senador Omar Aziz (PSD-AM), apresentou uma emenda para autorizar Estados e municípios a adquirir vacinas sem licitação nem aprovação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). “A emenda iria escancarar as portas para a corrupção”, criticou.

Obrigatoriedade do uso de máscara

O presidente diz ter conversado com o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, sobre a obrigatoriedade do uso de máscara. “Ele está definindo a porcentagem adequada de pessoas vacinadas, a fim de adotarmos a mesma postura de diversos Estados norte-americanos e do Reino Unido, que desobrigaram o uso de máscara.”

Conforme Bolsonaro, os brasileiros poderão continuar a usar máscara de proteção, pois devem exercer a liberdade individual. “Obviamente, quem não quiser usar máscara, por estar vacinado ou já ter sido contaminado pela covid-19, também tem esse direito”, argumentou. “Isso é democracia, pessoal. Temos de respeitar.”

Medidas restritivas

O chefe do Executivo federal afirma que governadores e prefeitos são responsáveis pela onda de desemprego que assolou o Brasil durante a pandemia do novo coronavírus. “Eles adotaram lockdown, toque de recolher e medidas de restrição de deslocamento”, observou. “Nós, do governo federal, sempre recomendamos o isolamento vertical.”

Para Bolsonaro, a decisão dos gestores estaduais e municipais foi amparada pelo Supremo Tribunal Federal (STF). “Os ministros deram poder de decisão a prefeitos e governadores, dizendo que eles poderiam adotar as medidas restritivas que bem entendessem”, criticou. “Foram eles que tiraram o emprego da população.”

O presidente da República diz, ainda, que o auxílio emergencial evitou o caos no Brasil. “Só no ano passado, o governo federal gastou o equivalente a treze anos de Bolsa Família”, afirmou. “Nós socorremos 68 milhões de pessoas no Brasil, enquanto prefeitos e governadores fecharam estabelecimentos.”

 

 

Com informações via Revista Oeste