O caçador de leões, elefantes e girafas Riaan Naude, de 55 anos de idade, foi encontrado morto a tiros recentemente na África do Sul. A morte gerou debate no país, que convive com o turismo de caça contra sua fauna.

O empresário, dono de uma empresa que vendia safáris com caça, foi assassinado a tiros em uma emboscada cujos autores ainda não foram identificados.

Empresário lucrava com a morte de animais selvagens em expedições na África do Sul e ostentava assassinatos nas redes sociais; ele morreu em emboscada

O africâner lucrava com a morte de animais silvestres para turistas, usualmente endinheirados, que queriam gastar suas fortunas com caça esportiva.

De acordo com a polícia, a motivação do crime ainda não foi especificada. Ele foi alvejado enquanto parava para resolver um problema mecânico no carro. Foram encontradas duas armas de caça dentro do veículo do empresário, o que indica que não se tratou de um roubo.

Um dos consumidores deste tipo de turismo bizarro é o Rei Juan Carlos de Espanha, monarca de Madrid que assassinou um elefante em Botswana no ano de 2012.

A empresa de Riaan Naude, Pro Hunt Africa, cobrava até US$ 2,5 mil por excursões de caça, sendo US$ 350 por dia, US$ 2,5 mil por crocodilo e US$ 1,5 mil por girafa.

O caçador compartilhava nas redes sociais os animais que matava como forma de promover seu negócio, que é motivo de polêmica ao redor do mundo e dentro dos países da África Subsaariana.

A história se soma com o caso de Maya Murmu, caçadora que foi assassinada por um elefante que teria se vingado após a morte de um filhote na região de Odisha, na Índia.

Fonte: https://www.msn.com/pt-br/noticias/curiosidades/ca%C3%A7ador-de-le%C3%B5es-e-elefantes-%C3%A9-assassinado-a-tiros-na-%C3%A1frica-do-sul-saiba-mais/ar-AAZhpnQ?ocid=EMMX&cvid=dfdbb86ea0704d55a9495283acfd3615