TCE


Grama do Nilton Santos ganhou adaptação do hit “Papin” e o R7 conversou com o Mc Cajá, um dos autores do funk original

“Caiu no tapetinho, já era. Aí o bagulho flui, à vera. O Bota joga muito, à vera”. Certamente você já ouviu essa música em algum momento, depois que o Botafogo assumiu – e não deixou mais – a liderança do Campeonato Brasileiro.

O hit dominou as redes sociais e as arquibancadas do estádio Nilton Santos, carinhosamente apelidado de tapetinho. Mas, de onde surgiu esse nome?

O “tapetinho” se refere à grama sintética do estádio, que começou a ser instalada em janeiro deste ano. O Glorioso se juntou ao Palmeiras e Athletico-PR e aderiu à nova tecnologia, que custou em torno de R$ 500 mil à SAF.

Foram colocados vários tapetes verdes em toda a arena, com uma tecnologia que permite que a grama esquente menos, tenha mais maciez e facilite a jogabilidade.

Nilton Santos durante a instalação do tapetinho

 

A mudança foi para favorecer a administração do local e permitir que o estádio receba mais eventos, já que a recuperação de desgaste é mais fácil.

No entanto, desde que foi inaugurado, na primeira semana de abril, trouxe outra vantagem: o Botafogo não perde mais em casa.

O tapete então rendeu elogios dos jogadores e, em maio, foi sucesso na torcida. O principal motivo para isso tem um nome: Jean, mais conhecido como Mc Cajá.

Ao lado do cantor Kevin o Chris, Cajá é dono do hit “Papin”, que já tem mais de 18 milhões de visualizações no YouTube e mais de 70 milhões de plays no Spotify. Botafoguense desde criança, ele foi surpreendido quando uma adaptação da música começou a surgir no Nilton Santos.

“O pessoal começou a cantar na arquibancada. Eu ia para os jogos, o pessoal me via e falava ‘tem que cantar caiu no tapetinho’ e aí eu fui e fiz a versão. O marketing do Botafogo conversou comigo, pediu para fazer e fiz”, conta Jean, que tem 29 anos.

No dia 21 de maio, a paródia foi postada no canal do “Botafogo TV” e, no mesmo mês, na vitória contra o América-MG, ela tocou no estádio.

“Aí esquece, explodiu. Agora todo mundo canta, em todo o jogo do Botafogo em casa. É um sentimento inexplicável”, celebra.

 

https://v16-web-newkey.tiktokcdn.com/03410f4a11ab1d0aee69b07bc554c3c4/64e66e65/video/tos/useast2a/tos-useast2a-ve-0068c001/oQhEWagLmepwABJrhkBTRJQU1DQebBhnoUOtHn/?a=1988&ch=0&cr=3&dr=0&lr=tiktok_m&cd=0%7C0%7C1%7C3&cv=1&br=4080&bt=2040&cs=0&ds=3&ft=ApKJEBiTq8ZmoviLNc_vjQ-I8AhLrus&mime_type=video_mp4&qs=0&rc=bmQxaDFwekApNDU3aGQ1aTs8Nzw4NGczN2cpdjx0c3g6dXRvZjMzajc8eXlgbV90YmJeYC41LzAxLTZhMzVhNTMyLl46Yy1kMGYtNGBoLmUtLTExLS06&l=2023082314381938C84B858A47612B68CC&btag=e00088000

 

O cantor e compositor é aquele torcedor que segue o Glorioso em todos os jogos e garante: ele não escolheu o time, “foi escolhido”, assim como o pai. Apesar de ter começado no funk em 2015, agora sente que conseguiu unir as duas paixões.

“Meu talento na música e o meu amor pelo futebol se uniram em um momento que o Botafogo jamais viveu”, diz.

O Glorioso teve a melhor campanha de primeiro turno na história dos pontos corridos do Brasileirão, quando fechou com 47 pontos, 15 vitórias, dois empates e duas derrotas. Foram 11 gols sofridos, contra 35 marcados.

 

 

Fonte: R7

Foto: Divulgação