Maria Fernanda Camargo, de 5 anos, foi queimada viva em um suposto ritual de “evocação e incorporação de espíritos malignos” ocorrido em Frutal, no Triângulo Mineiro. Cinco pessoas, sendo os avós, a tia, a mãe da menina e um líder espiritual, foram presos na última quarta-feira (20).

Segundo a Polícia Civil, Maria Fernanda, foi assassinada no último dia 24 de março. Durante coletiva à impressa, o delegado responsável pelo caso, Murilo Cézar Antonini Pereira, lembrou que, no primeiro depoimento dos suspeitos, momentos após a tragédia, eles disseram que a vítima havia se queimado após um acidente doméstico em um churrasco de família, e que foi o fogo de uma churrasqueira que causou as queimaduras.

No entanto, as investigações apontam que a vítima foi queimada viva. Ela foi levada para a um ritual de evocação e incorporação de espíritos malignos.

Durante a seita, foram jogadas ervas e álcool no corpo da criança. Depois, o líder espiritual teria ateado fogo no corpo dela com o uso de uma vela. A menina teve quase 100% do corpo queimado. Os avós da criança, uma tia e a mãe dela estavam no suposto ritual quando ocorreu o crime. Eles também ficaram levemente feridos ao tentarem apagar o fogo do corpo de Maria Fernanda.

Os familiares da garota e o líder espiritual foram presos na operação “Incorporação da Verdade”, deflagrada pela Polícia Civil. Eles foram submetidos a exames de corpo e delito e ainda serão ouvidos. As investigações ainda estão em andamento. Foram cumpridos dois mandados de busca e apreensão, além das prisões.

Na época da morte, a menina foi socorrida ao hospital Frei Gabriel em Frutal, mas foi transferida para um hospital em São José do Rio Preto, no interior de São Paulo, onde morreu.

Fonte: Portal ND+