TCE


Um total de 72 mil pessoas usou a plataforma do Governo Federal para ajustar cerca de 150 mil dívidas, sete vezes a média diária da última semana

O Dia D do Desenrola Brasil, nesta quarta-feira, 22/11, terminou com mais de 150 mil dívidas renegociadas na plataforma oficial do programa do Governo Federal. Mais de 72 mil pessoas procuraram o serviço para equacionar dívidas num valor que supera os R$ 433 milhões, sete vezes maior que a média diária registrada na última semana. Nos picos de acesso, houve mais de duas renegociações por segundo na plataforma.

Desde segunda-feira (20/11), o Desenrola ocupou um dos três primeiros lugares de buscas no Google e, na última quarta-feira (22/11), o Programa alcançou o primeiro lugar como o termo mais pesquisado, totalizando mais de 200 mil buscas

Neste Dia D, os descontos médios registrados atingiram 86,3% do valor total das dívidas. O valor médio parcelado pelos usuários foi de R$ 1.087, e o valor médio quitado à vista foi de R$ 262. Durante o mutirão, o Banco do Brasil e a Caixa Econômica Federal ampliaram os horários de atendimento de parte de suas agências.

Desde segunda-feira (20/11), o Desenrola ocupou um dos três primeiros lugares de buscas no Google e, na última quarta-feira (22/11), o Programa alcançou o primeiro lugar como o termo mais pesquisado, totalizando mais de 200 mil buscas.

246 bi — O Desenrola Brasil foi lançado em 17 de julho de 2023 para recuperar as condições de crédito dos devedores. Desde então, o programa possibilitou que mais de 3 milhões de brasileiros renegociassem cerca de R$ 246 bilhões em dívidas. Como parte do programa, os principais bancos do país ainda retiraram automaticamente 10 milhões de registros de negativação de pequenas dívidas, com valor de até R$ 100.

O alto desconto médio para renegociação de dívidas (83%) foi alcançado por meio de um leilão de débitos entre credores realizado em setembro com 654 empresas. Em alguns casos, o desconto chega a 99%. As operações podem ser divididas em até 60 meses, com juros de até 1,99% ao mês. Segundo o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, o Desenrola tem potencial de renegociar R$ 30 bilhões em dívidas.

O programa passou a oferecer, na última segunda-feira (20/11), condições de parcelamento para dívidas com valor atualizado de até R$ 20 mil. A plataforma já oferecia a possibilidade de pagamento à vista de dívidas de até R$ 20 mil, porém, o parcelamento só estava disponível para dívidas até R$ 5 mil.

O QUE VALE — Podem ser renegociadas dívidas que tenham sido negativadas de 2019 a 2022, e cujo valor atualizado seja inferior a R$ 20 mil. Também estão incluídas dívidas bancárias, como cartão de crédito, e as contas atrasadas de outros setores, como energia, água e comércio varejista.

O programa começou pela Faixa 2, voltada às pessoas com renda mensal de até R$ 20 mil e cujas dívidas bancárias foram inscritas em cadastros de inadimplentes até 31 de dezembro de 2022. As renegociações da Faixa 2 são realizadas diretamente com os bancos credores.

Já a Faixa 1 começou em outubro, com enfoque no atendimento de pessoas com dívidas de até R$ 5 mil e renda de até dois salários mínimos ou inscritas no CadÚnico. Como parte do programa, os principais bancos realizaram a retirada automática de 10 milhões de registros de dívidas até R$ 100 dos cadastros de inadimplentes.

O Desenrola ainda permite a renegociação de dívidas sem entrada imediata, assim como a utilização da primeira parcela do 13º salário para solucionar pendências e começar a pagar os débitos a partir de dois meses, ou seja, só em 2024.

 

Fonte: Assessoria de Imprensa Presidência da Republica

Foto: Divulgação