A presidente da Comissão de Saúde e Previdência da Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam), deputada Dra. Mayara Pinheiro Reis (PP), reforçou, nesta quinta-feira, 22, a importância de monitorar os casos de Near Miss Materno, como estratégia para reduzir um problema sério no Amazonas, a Mortalidade Materna. 

A declaração Foi durante o 1º Seminário Estadual sobre Morbidade Materna Grave realizado na Assembleia, e que contou com especialistas do estado e também com a Coordenadora do Curso de Graduação e  Pós-Graduação do Centro Universitário de Londrina (PR), Mestra e Enfermeira Thaise Castanho.

Só este ano, já são pelo menos 20 mortes registradas em seis meses, quando o considerado “normal” por ano é de 30 mortes a cada 100.000 habitantes.  É considerada mortalidade materna quando a o óbito acontece durante a gestação, ou 42 dias depois do parto. Entre as principais causas de mortalidade aqui no Amazonas estão a hipertensão e eclampsia, hemorragias grave e, infecções.

“Precisamos trazer este assunto para a sociedade, melhorar a nossa assistência básica, fortalecer os protocolos médicos e criar políticas públicas direcionadas. Nesse sentido, apresentei um Projeto de Lei que cria o Programa Sentinela da Vida no Amazonas, funcionando como estratégia de vigilância para identificar os casos de Morbidade Materna Grave, evitando que vidas sejam perdidas”, explicou Mayara Pinheiro.

Os objetivos do PL são notificar e monitorar esses casos, formar banco de dados e reduzir as situações evitáveis de Morbidade Materna Grave.  Vale ressaltar que as mulheres diagnosticadas como casos de Morbidade Materna Grave, pelas Unidades Hospitalares Públicas e/ou Privadas, serão acompanhadas pela Fundação de vigilância em Saúde (FVS), até que tudo seja resolvido.

 O tema é tão relevante que, em todo o mundo, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), são 15 milhões de casos, por ano, de morbidade materna . A propositura segue em análise nas comissões da Aleam.