Evento promovido pelo Sebrae e Semacc reuniu mais de 200 mulheres com programação voltada ao trabalho no campo

Mais de 200 empreendedoras de Manaus e outros cinco municípios tiveram acesso à capacitação, estandes, cases inspiradores e reflexões sobre o trabalho rural no ‘Divas do Agro’, realizado nesta sexta-feira, 22/7, na unidade do Sebrae Aleixo. Evento integrou mulheres que atuam no campo com objetivo de oportunizar negócios e fortalecer meios de emprego e renda no setor.

Promovida pelo Sebrae Amazonas em parceria com a Secretaria Municipal de Agricultura, Abastecimento, Centro e Comércio Informal (Semacc), a programação contou com 14 palestras voltadas a potencialização do empreendedorismo rural, casos bem-sucedidos de trabalhos na agricultura, além de desafios e oportunidades.

A primeira edição do ‘Divas do Agro’ foi celebrada como uma aproximação forte entre as mulheres do campo e o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas. Foi o que destacou o presidente do Conselho Deliberativo Estadual do Sebrae, Muni Loureço. “Cada vez mais esse evento vai possibilitar que as mulheres possam ter acesso a informações importantes. Isso vai melhorar os resultados dos seus negócios no campo”, destacou.

Titular da Semacc, o secretário municipal Wanderson Costa considerou o evento como a realização de um sonho. “Estamos fazendo história no Amazonas, pois estamos dando às mulheres do agronegócio a importância que elas merecem. Não vai ficar somente nesse evento. Essa é determinação do prefeito David Almeida”, revelou.

Cases
O escoamento sustentável da produção rural é uma das questões primárias da agricultura familiar amazonense, que vive o desafio de transformar o trabalho de subsistência também em fonte de renda. Quem pode celebrar o sucesso nesse fluxo é a agricultora Neiliane Paez, 34, que atua em Iranduba. Ela apresentou a palestra sobre a Comunidade que Sustenta a Agricultura (CSA).

No sistema, um grupo de consumidores se reúne e financia a produção de vegetais. Em troca, ele recebe uma cota de alimentos orgânicos toda semana, pagando mensalmente. “Em 2018, a gente conheceu o movimento CSA, que foi a chave para nossa família. É um meio seguro para o agricultor saber que o produto que ele cultivou vai ter destino correto”, comentou Neiliane.

Em Presidente Figueiredo, a assistente social e presidente da Associação Intercomunitária Grupo Esperança Orgânica, Nazide Bentes, 53, estimula a produção de agroecológicos e orgânicos, orientando os trabalhadores sobre os perigos de determinados agrotóxicos. Ela ministrou a palestra “transformação social através da agroecologia”.

“Nosso projeto é de 2009, mas virou associação juridicamente em 2018, devido a exigência do mercado. Temos, hoje, dez comunidades em Presidente Figueiredo plantando guaraná agroecológico com venda garantida para a Recofarma. E temos uma feira de orgânico que funciona na comunidade Jardim Floresta, no quilômetro 126 da BR-174”, informou.

 

Fonte: Assessoria de Imprensa da Prefeitura de Presidente Figueiredo

Foto: Divulgação