Nesta sexta-feira (27), às 18h30, o Sesc Amazonas realiza a abertura oficial da exposição Mama Tuyuka da artista plástica e grafiteira Chermie Ferreira. As obras revelam a grandeza de cada mãe dos povos originários da Amazônia.

A exposição, com curadoria de Virna Lisi, ficará disponível até o dia 29 de julho na Galeria Moacir Andrade, situada na sede do Sesc Amazonas, na rua Henrique Martins, 427, Centro, que funciona das 09h às 12h, às segundas-feiras e das 12h30 às 15h30, às quartas-feiras. A entrada é gratuita.

Mama Tuyuka, Mãe Terra para o povo Kokama, representa aquela que sustenta tudo ao seu redor, que cuida, protege e alimenta. A exposição Mama Tuyuka traz uma série de telas em canvas, papel e madeira, marcadas por traços expressionistas em uma combinação única de spray (do graffiti) e acrílica (das artes plásticas). As obras de Chermie trazem em cores, reflexos, texturas, narrativas e traços, a força das mulheres relacionada à Mãe Terra.

Chermie Ferreira é manauara e se divide entre trabalhos na capital amazonense e em São Paulo, onde é representada por uma galeria de arte urbana com matriz no Beco do Batman, point do graffiti paulistano.

Street artist/grafiteira desde os 16 anos, a artista tem sólida experiência no movimento de arte urbana nacional, além de coordenar diversos eventos nacionais e internacionais voltados para a divulgação do graffiti, especialmente do trabalho realizado por artistas mulheres.

Durante a pandemia do novo coronavírus, o isolamento causou sentimentos conflitantes que levaram a artista a vivenciar a transição de grafitar muros para pintar em telas, papel e objetos. O momento de dificuldades e reflexão também levou a artista a se voltar para histórias da família e se ver e reconhecer como ribeirinha e indígena do povo Kokama.

Como resultado, neste momento pós-pandemia, Chermie realiza sua primeira exposição solo em Manaus. Numa produção profícua e constante, que acelerou durante a pandemia, a artista não parou de criar e produzir, sempre com muito estudo, pesquisa em história da arte universal, especialmente a pesquisa baseada em fotógrafos indígenas dos séculos 20 e 21, e criou seu próprio processo de criação, no qual condensa suas pesquisas com as memórias de batalhas pessoais narradas de geração em geração pelas mulheres de sua família.

Chermie Ferreira nasceu Sarah, recentemente se descobriu Wira Tini (pássaro branco) em Kokama e agora traz para o Sesc AM essa mistura muito brasileira, que transborda em diferentes linguagens artísticas, técnicas e materiais.

Sua arte passa ao público valores e sentimentos da luta pela visibilidade das mulheres do Norte, principalmente, mulheres ribeirinhas e as mulheres originárias indígenas, as inspiradoras da exposição Mama Tuyuka.

Foto: divulgação