Um jovem norte-americano de 18 anos confessou ter matado a mãe brasileira com um tiro de espingarda. David Allan Ohlson assassinou Adriana Ohlson no mês passado, nos Estados Unidos.

O disparo aconteceu no dia 8 de abril, e Adriana não resistiu aos ferimentos. David foi preso, admitiu ter atirado contra a mãe, mas declarou-se inocente da acusação de assassinato em segundo grau.

A defesa do jovem alega insanidade. A advogada Sharon Wilson apresentou moção ao tribunal e cinco justificativas para embasar a tese.

Segundo documento apresentado por ela, David tem transtorno psicótico diagnosticado com alucinações e delírios; transtorno de humor; processos mentais gravemente prejudicados; transtorno de adaptação; e controles cognitivos, emocionais e de personalidade reduzidos.

Após a detenção, segundo o jornal O Globo, David disse ao xerife do condado de Escambia que “de todas as pessoas em quem ele planejava atirar, não esperava que sua mãe fosse uma delas”.

O rapaz está preso na cadeia local desde a data do assassinato, sem direito a fiança.

Pai relatou o ocorrido

Foi o pai de David, Aaron Ohlson, quem contatou a polícia após a ex-mulher ser morta pelo filho. Na ocasião, porém, ele afirmou que o disparo foi acidental.

Aaron explicou que estava separado de Adriana há três semanas e que, na data da morte, recebeu um telefonema da ex-esposa relatando o mau comportamento de David e falando sobre uma arma que o jovem portava.

O homem foi à residência da família e encontrou o filho sentado, com as pernas cruzadas, em frente a Adriana, que estava de pé.

O rapaz apontou a espingarda para David. Em seguida, mirou na própria mãe e atirou. Adriana foi encontrada com um ferimento no abdômen e encaminhada a um hospital da região, mas faleceu durante a cirurgia.

Fonte Yahoo Noticias