Para secretário, PIB pode voltar a crescer perto do fim do ano

 O agravamento da crise econômica provocada
pela pandemia de covid-19 pode fazer o país entrar em recessão técnica no
primeiro semestre, disse hoje (20) o secretário de Política Econômica do
Ministério da Economia, Adolfo Sachsida. A recessão técnica caracteriza-se
quando o Produto Interno Bruto (PIB, produção de bens e serviços) cai por dois
trimestres seguidos.
 Classificando a crise atual de “transitória”,
o secretário disse acreditar numa reação da economia a partir do segundo
semestre. “Existe uma boa chance de nós termos um PIB não muito favorável no
primeiro trimestre e uma redução significativa no segundo trimestre”, disse.
“Tomando as medidas corretas, vamos ser capazes de tentar uma recuperação
econômica e melhorarmos as estimativas no segundo semestre”, acrescentou.
 Há pouco, o Ministério da Economia divulgou a redução
da previsão oficial de crescimento da economia de 2,1% para 0,02% em 2020, o
que significa estagnação. Instituições privadas, no entanto, projetam números
mais pessimistas. O Banco Itaú reduziu a estimativa para o PIB de crescimento
de 1,8% para queda de 0,7%, podendo chegar a retração de 1,6% no pior cenário.
Na segunda-feira (23), o boletim Focus, do Banco Central, divulgará a mediana
das novas estimativas das instituições financeiras.
 A revisão do PIB e de outros parâmetros
econômicos consta do Relatório Bimestral de Avaliação de Receitas e Despesas,
documento que orienta a execução do Orçamento divulgado a cada dois meses. O
secretário de Orçamento Federal, George Soares, disse que a aprovação do estado
de calamidade pública pelo Congresso desobriga o governo de divulgar novas
versões do relatório, mas informou que o governo poderá apresentar novas
estimativas por conta própria nos próximos meses, assim que o cenário econômico
global se estabilizar.
Fonte:  Agencia Brasil
Foto:  Marcello
Casal Jr.