Foto: Divulgação

Fábio Abreu, do Piauí, disse que, se Valdemar trocar o comando da sigla no estado para desfazer aliança com o PT e agradar Bolsonaro, haverá debandada

O deputado federal Capitão Fábio Abreu (foto), do PL do Piauí, disse a O Antagonista que o cancelamento da cerimônia de filiação de Jair Bolsonaro ao partido, prevista para o próximo dia 22, “foi um alívio”.

Ontem, noticiamos que Valdemar Costa Neto e Bolsonaro trocaram mensagens com xingamentos.

O deputado federal Capitão Fábio Abreu (foto), do PL do Piauí, disse a O Antagonista que o cancelamento da cerimônia de filiação de Jair Bolsonaro ao partido, prevista para o próximo dia 22, “foi um alívio”.

Ontem, noticiamos que Valdemar Costa Neto e Bolsonaro trocaram mensagens com xingamentos.

“Por esse recuo na data da filiação e informações que estou tendo, hoje eu diria que é zero [a chance de Bolsonaro se filiar ao PL]”, disse.

No caso de Fábio Abreu, essa declaração é também uma torcida: com o aval de Valdemar, dono da sigla, ele já garantiu o apoio da legenda ao candidato do petista Wellington Dias ao governo local em 2022.

Jair Bolsonaro disse que não aceita estar em um partido que apoie petistas. Em razão disso, este site apurou que uma saída no Piauí seria trocar o comando estadual do PL, deixando os parlamentares livres para apoiar o PT em voo solo, mas não institucionalmente.

“Seria um absurdo essa ideia. Se ele [Valdemar] fizer essa troca [na Presidência], será debandada geral do partido. Isso não tem cabimento. Até porque bolsonaristas não são bem avaliados aqui no Piauí.”

No fim de outubro, como registramosValdemar, em entrevista à TV Meio Norte, confirmou o aval para que o deputado estadual Fábio Xavier, que preside o PL no estado, mantenha a aliança com os petistas para 2022.

 

 

 

Fonte: O Antagonista

Foto: Divulgação