A Delegacia da Polícia Civil em Paranatinga recebeu nesta segunda-feira (21) a denúncia de que uma mulher, 39 anos, estaria sendo vítima de crime de violência doméstica.

Os policiais civis se dirigiram até a residência, no bairro Vila Nova, e verificaram que a vítima era mantida em cárcere privado há três dias e sofreu diversas agressões físicas, foi torturada, ameaçada e estava sem se alimentar.

Quando a equipe de investigação da delegacia  chegou ao local, o acusado fugiu da casa. Os investigadores realizaram buscas, mas ainda não o localizaram. A mulher foi encaminhada ao Pronto-Socorro municipal, pois estava bastante debilitada, com ferimentos e escoriações pelo corpo. Após o atendimento ambulatorial, ela foi ouvida na delegacia e prestou esclarecimentos sobre a tortura sofrida nas últimas 72 horas.

O acusado, 23 anos, mantinha a mulher encarcerada na despensa da casa, um local pequeno e apertado, onde ela nem sequer podia caminhar e fazer as necessidades fisiológicas. Ele é usuário de drogas e tem comportamento agressivo, com diversas passagens criminais pelo crime de furto e outros delitos.

A vítima contou ainda que mesmo diante da negativa em continuar com o criminoso, ele a pegou à força da casa de sua mãe a manteve em cárcere privado, além de agredi-la com uma faca, um pedaço de madeira e socos e chutes, e ameaçá-la para não dizer nada à família sobre as agressões.

Anterior a essa última sessão de agressões, ele amarrou os pés e mãos da vítima com um cadarço de tênis e lhe enforcou com um fio de energia.

O delegado Hugo Abdon de Lima ouviu a vítima e ainda nesta segunda-feira encaminhou representação à Justiça pela prisão preventiva do acusado e a medida protetiva de urgência em favor da mulher.