TCE


Brasil – O novo ministro da Justiça e Segurança Pública, Ricardo Lewandowski, afirmou, durante a cerimônia de posse, que a pasta vai dar atenção especial à questão da violência e criminalidade no País. “É nossa obrigação, e o povo brasileiro assim o espera, que o Ministério da Justiça dedique especial atenção à segurança pública que, ao lado da saúde, é hoje uma das maiores preocupações da cidadania”, ressaltou.

No discurso, Lewandowski disse que para ter êxito no combate à criminalidade e à violência, precisa ir além de uma permanente e enérgica repressão policial, mas investir em políticas públicas que permitam superar o que ele chamou de ‘apartheid’ social que continua segregando boa parte da população brasileira”.

Outro desafio na preservação da segurança pública, segundo o ministro, é o surgimento do crime organizado, que afeta o Brasil e outros países. “A atuação das organizações criminosas, nas quais se incluem as milícias – subdivididas em múltiplas fracções, ora aliadas, ora rivais, – restrita a áreas periféricas , onde o Estado se mostrava ausente e aos recônditos ambientes prisionais, hoje se desenvolve a toda parte, a luz do dia, com ousada desfaçatez e moldes empresariais”, ressaltou.

“Para enfrentar eficazmente o crime organizado que vem se ramificando por todo o país, é preciso aprofundar  as alianças com estados e municípios que constitucionalmente detém a responsabilidade primária pela segurança pública nas respectivas jurisdições”, defendeu.

O ministro disse, ainda, que é preciso confiscar os bens das organizações criminosas para neutralizar a atuação dessa facções e que o Ministério vai fazer esforços centralizar dados de inteligência coletados pela Polícia Federal, Polícia Rodoviária Federal, Forças Armadas, polícias civis e militares dos estados, pelas guardas municipais, agentes penitenciários, Ministério Públicos e outros órgãos.

Por fim, o ministro disse que todas as ações vão ser feitas respeitando o direito de defesa das pessoas envolvidas. “Todas essas ações serão executadas com estrito respeito aos direitos e garantias fundamentais dos acusados e investigados, especialmente no que concerne ao direito à ampla defesa, ao contraditório e ao devido processo legal”, pontuou.

Na cerimônia de posse, realizada no Palácio do Planalto na manhã desta quinta-feira (01/02), o presidente Luiz Inácio Lula da Silva destacou as qualidades e competências do novo ministro e que ele vai, como fez Flávio Dino, passar para a história normatizando a atividade do Ministério da Justiça. “O que nós queremos é construir, com os governadores dos estados, as parcerias necessárias  para ajudar a combater um crime que não chamo de coisa pequena”, disse.

Lula também agradeceu ao ex-ministro por ter colaborado com o governo e com o país no período em esteve à frente do Ministério da Justiça e Segurança Pública. No discurso de despedida, Dino lembrou dos 35 anos de atuação no serviço público e agradeceu ao povo do Maranhão por ter lhe outorgado os cargos de deputado federal, governador do Maranhão e senador. Ele foi indicado pelo presidente Lula e aprovado pelo senado para ocupar o cargo de ministro do Supremo Tribunal Federal (STF).

Com informações da assessoria