TCE


 

 

Vilson Benayon, advogado de Lucas Picolé esclareceu que na terça-feira, 23/1, ou seja um dia antes da prisão de Lucas Picolé, ele e o influencer estiveram no 1° DIP, para conversar com o delegado Cícero Túlio, sobre um grupo de aplicativo de mensagem que divulgava o “jogo do tigrinho” em nome de Lucas Picolé.

Grupo “Menino de Ouro”

De acordo com a defesa esse grupo intitulado “Menino de Ouro”, com 258 integrantes , colocam falas de Lucas Picolé fomentando o jogo do tigrinho (fake news). “Tem um perfil falso no instagram com quase 50 mil pessoas, passamos todas essas informações para o delegado um dia antes da prisão do meu cliente”, afirmou Vilson Benayon.

O advogado de Picolé que esteve no 1° Distrito Integrado de Polícia, nessa quarta-feira, 24/1, após a prisão de Lucas nega veementemente que o cliente tenha quebrado alguma cautelar.

Sorteio gratuito

De acordo com Vilson Benayon o que estava proibido era o sorteio através dos jogos de azar e não o sorteio gratuito de moto.

“Era um sorteio gratuito , para aumentar o número de seguidores de uma marca patrocinadora, não tem haver com rifa. Ninguém obteve lucro de forma indevida sem autorização do Ministério da Fazenda.”, explicou o advogado criminalista.

O mandado de prisão de Lucas Picolé foi referente ao descumprimento de medidas cautelares que garantiam a liberdade para Picolé, até a audiência da Operação Dracma, marcada para o dia 1 de março. Vilson Benayon já solicitou a revogação da prisão preventiva do influencer.

 

Fonte: Assessoria de Imprensa do Grupo Benayon Advogados

Foto: Divulgação