Uma mulher tentou vender a filha de 2 anos por meio de um anúncio no Facebook e acabou presa pela polícia. O caso aconteceu no sábado (23), na comunidade de Chanduy, no Equador.

De acordo com informações da Direção Nacional de Polícia Especializada para Meninos, Meninas e Adolescentes, a mãe ofertou a criança pelo preço de US$ 400 em dinheiro (aproximadamente R$ 1,9 mil).

A denúncia foi feita à polícia por um usuário, cuja identidade não pôde ser revelada, que também alegou que a mulher pretendia concluir a negociação em um terminal de ônibus na noite de sábado (23), onde faria a troca da criança pelo dinheiro com o comprador.

Em entrevista ao jornal equatoriano El Universo, o agente da Direção Nacional, Ángel Tandazo, detalhou como a mulher apresentou a filha nas redes sociais para usuários interessados em comprá-la.

“Nas imagens que chegaram até nós, ela coloca seu número de telefone para que as pessoas interessadas em comprar a menina possam entrar em contato”, explicou ele.

Outro fator que chamou a atenção das autoridades foi que na descrição do anúncio, a mulher destacou que queria vender a filha por “motivos pessoais”.

Ao ser interrogada pela polícia, ela confirmou que encontrava-se em desespero, pois não dispunha de condições financeiras para garantir o sustento da filha. Além disso, ela ressaltou que estava sozinha, pois o pai da criança abandonou a família há vários meses.

A mãe continua detida em razão de ordens do Ministério Público e do tribunal. As autoridades afirmaram que estão tomando todas as medidas para proteger os interesses e os direitos da criança. Enquanto isso, a menina ficará sob os cuidados da avó materna, que segundo os investigadores, ficou abalada assim que soube do crime cometido pela filha.

Segundo o El Universo, a região de Santa Elena já foi palco de outra escandalosa tentativa de comércio de crianças pela própria família. Em março, um casal local fez uma viagem para Guayas para se encontrarem com pessoas interessadas em comprar seus filhos.

Eles exigiram o pagamento de US$ 12 mil (aproximadamente R$ 60 mil). No entanto, foram presos pela polícia e perderam a guarda dos filhos.

Fonte: UOL