Um crime cometido por um militar em um motel deixou uma adolescente de 15 anos gravemente ferida. Ela levou um tiro na boca disparado por um marinheiro na cidade de Vigia, no interior do Pará. O homem, de 25 anos, foi preso em flagrante.

A adolescente baleada foi transferida para a UTI de um hospital em Ananindeua, região metropolitana de Belém, e está em coma. Abalada, a mãe da adolescente não tinha condições de falar sobre a violência cometida contra a filha. Segundo o padrasto da vítima, antes de entrar em coma, a enteada revelou o que aconteceu. “Ele queria fazer algo que ela não quis e botou a arma dentro da boca dela, efetuando os disparos”, relatou Maurício da Silva à imprensa.

De acordo com a família da jovem, ela perdeu todos os dentes. Na primeira cirurgia, os médicos conseguiram reconstruir a mandíbula dela. No entanto, não foi possível retirar a bala que estava alojada no pescoço, próximo à coluna cervical. Novos exames foram solicitados. Os parentes da adolescente informaram que a equipe médica não descarta o risco da vítima perder os movimentos das pernas.

Segundo a defesa atirador, Gabriel Norberto de Almeida Lobo, de 25 anos, não sabia que a adolescente, e uma amiga dela que estava no local, eram menores de idade. Para o advogado, Thiago Delduque, o disparo foi acidental. A arma era do colega de Gabriel, que também estava no local, mas fugiu levando o revólver. “Ele [Gabriel] estava em um estado de embriaguez e disparou a arma acidentalmente, num manuseio equivocado”, afirmou, acrescentando que as garotas estavam no motel “de forma consetinda”.

No depoimento, a outra adolescente contou que Gabriel pegou a arma e começou a brincar, chegando a apontá-la em sua direção. Em seguida, apontou o armamento para a amiga e escutou o barulho do tiro.

O militar passou por audiência de custódia e foi liberado. No entanto, como não pagou a fiança de R$ 60 mil, continuará preso. A Marinha lamentou o caso, informando que vai colaborar com as investigações.

Fonte: Portal Tucumã