Foto: Divulgação

Renato Gaúcho se despede do Flamengo. O treinador disse adeus aos jogadores no Uruguai. Ele apostava que iria para a Seleção. Deve voltar para o Grêmio, na Segunda Divisão

São Paulo, Brasil

“Encerro aqui mais um ciclo.

“Agradecer a todos os departamentos do clube que foram muito importantes nessa jornada. Agradecer aos jogadores e a torcida que, mesmo não sendo da forma que sonhávamos, não deixaram de ter Raça, Amor e Paixão.

“Isso é Flamengo!

“Sigo com carinho e admiração pelo Clube de Regatas do Flamengo.

“Sucesso aos próximos!”

Esta foi a despedida oficial de Renato Gaúcho do Flamengo.

Ele usou o que ‘detesta’, as redes oficiais para deixar claro: seu maior sonho como treinador acabou se tornando o maior pesadelo.

Renato passou por várias fases como técnico, amadureceu. Voltou muito diferente depois dos dois anos que ficou sem trabalhar, entre 2014 e 2016. Embora milionário, vivendo muito bem no Rio de Janeiro, indo à praia várias vezes por semana, ele tratou de estudar futebol. Da sua maneira, assistindo aos jogos, trocando ideias, conceitos com Mauricio Souza e com o falecido treinador Valdir Espinosa, campeão mundial pelo Grêmio.

Quando veio o convite para retornar como técnico do clube que é o maior ídolo na história, ele finalmente decidiu colocar na prática o que depurou. E também se assumir com mão ‘mais forte’ no comando do time.

Conquistou quatro Campeonatos Gaúchos (2018, 2019, 2020 e 2021),uma Copa do Brasil, em 2016, e a Libertadores da América 2017.

O desgaste veio, de acordo com a falta de investimentos do clube. E a ascensão no cenário nacional dos bilionários Flamengo e Palmeiras.

Renato Gaúcho passou a vislumbrar qual seriam os desafios que faltavam na sua carreira, na vida.

 

A dispensa do Grêmio, pela eliminação na Pré-Libertadores, foi pesada e injusta. Ele estava com Covid, impossibilidado de estar no banco de reservas. E o time gremista era absolutamente dependente do treinador. E o Independiente del Valle se classificou.

Renato queria muito treinar o Flamengo. Recusou proposta do Corinthians. Sondagem do Santos. E esperou o rubro-negro.

Assim que se tornaram públicos, os vários problemas de relacionamento que Rogério Ceni cultivou na Gávea, veio a demissão do treinador. E a chance de Renato Gaúcho.

O grande erro foi não perceber a filosofia extremamente capitalista que impera na Gávea. Em vez de apenas comemorar ter finalmente um elenco de R$ 200 milhões, como desejas, ele deveria ter sido mais direto com a diretoria.

O elenco é excelente, mas, em posições-chaves, formado por veteranos. Com reserva abaixo dos titulares. Faltou deixar claro essa dificuldade. O time estava desgastado com tantos jogos, e com convocações de atletas fundamentais para seleções brasileira, uruguaia, chilena.

Renato também não entendeu o quanto o presidente Rodolfo Landim é capitalista. Ele tinha três campeonatos para disputar: a Libertadores, a Copa do Brasil e o Brasileiro. Landim não abria mão de nenhum. Queria o dinheiro das premiações, a valorização dos atletas com a conquista, o patamar mais alto para seguir cobrando cada vez mais dos patrocinadores, das televisões, aumentando o preço dos ingressos.

Se o treinador se defendia ter tido apenas ‘oito minutos’ com os titulares efetivos do Flamengo, ele não soube usar o elenco. E, principalmente, buscar outras maneiras táticas de o clube atuar. Tanto que foi eliminado sem sofrimento da Copa do Brasil pelo Athletico Paranaense. Perdeu a final da Libertadores para o Palmeiras. E deixou escapar o Brasileiro, pelo velho vício de Gaúcho, de poupar atletas na competição nacional, priorizando a Libertadores.

Além disso, enfrentou a ira da torcida acostumada com títulos desde a passagem fulminante de Jorge Jesus.

Renato nunca havia sido tão xingado quanto foi, por exemplo, contra o Athletico Paranaense, na eliminação da semifinal da Copa do Brasil. Torcedores esqueceram a partida que o time era humilhado e passou a ofender o treinador, que fingia não ouvir.

Enfim, a passagem pelo Flamengo foi o fracasso mais dolorido na história do técnico.

Renato Gaúcho sonhava que a Gávea o levaria à Seleção Brasileira, depois da Copa do Mundo do Qatar, quando Tite, finalmente, deixará o comando do time de Neymar.

Mas foram quatro meses de decepções.

E a demissão sumária após a perda da Libertadores.

Os dirigentes não o quiseram nem nos quatro últimos jogos do Flamengo.

Com os atuais, Renato não passa nem perto da Gávea.

O treinador sabe disso.

E o caminho de 2022 tem tudo para ser o mais previsível.

A volta ao lugar onde é tratado com todo respeito, paciência.

Reverência, até.

O Grêmio.

Ou seja, a Gávea não o levou à Seleção.

Mas, muito provavelmente, à Segunda Divisão

 

 

Fonte: R7

Foto: Divulgação