InícioVARIEDADES‘Nós precisamos mudar isso’, diz Dra. Mayara sobre mortalidade materna no AM

‘Nós precisamos mudar isso’, diz Dra. Mayara sobre mortalidade materna no AM

Ministério da Saúde afirmou que Amazonas possui o índice mais alto de mortalidade do país

O Amazonas lidera o ranking de mortes maternas no Brasil. A informação foi divulgada pelo Ministério da Saúde durante o seminário virtual promovido, nesta sexta-feira (4), pela Comissão de Saúde e Previdência (CSP) da Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam), que é presidida pela deputada Dra. Mayara Pinheiro Reis (PP).

“A realidade do nosso estado me assustou um pouco. Nós precisamos agir rapidamente para mudar isso”, enfatizou a deputada que aproveitou a oportunidade para agradecer o Ministério da Saúde o apoio dado ao Estado com treinamentos para melhorar o atendimento, em hospitais e prontos-socorros, principalmente dos municípios do interior.

A assessora técnica da Saúde das Mulheres, Dra. Maria Gerlívia de Melo Maia Angelim, representante do Ministério da Saúde neste seminário, expôs ao público dados e informações sobre a Saúde da Mulher e o trabalho da pasta para combate à mortalidade materna.

Conforme dados, em 2018, a razão de mortalidade materna na região norte foi de 80,8. Em contrapartida, nesse mesmo ano a razão do Brasil foi de 59,1. Apenas o Estado do Amazonas tem a razão de mortalidade de 108,4, a mais alta entre todos as Unidades da Federação. Entre as principais causas de óbitos estão a hipertensão, hemorragia e infecção puerperal.

“Dentro do núcleo de coordenação em Saúde temos duas metas: reduzir de 59,1 para 52,0 a razão da mortalidade materna e aumentar em 25% a realização da primeira consulta de pré-natal até a 12° semana. Tudo isso em um período de três anos”, afirmou a assessora técnica do MS, Dra. Maria Angelim.

Além da presença da assessora técnica de Saúde das Mulheres do Ministério da Saúde, Dra. Maria Gerlívia de Melo Maia Angelim, o evento também teve participação da presidente da Fundação de Vigilância em Saúde (FVS), Rosemary Pinto; do Comitê Estadual de Mortalidade Materna de Pernambuco, representado pela Dra. Sandra Valongueiro Alves; da Coordenadora do Comitê Municipal de Prevenção do Óbito Materno, Infantil e Fetal de Manaus, Sonja Farias, da secretária executiva adjunta de Políticas Públicas, enf° Nayara Maksoud e do gerente de maternidade da SES-AM, enf° Edilson Albuquerque.

Todos os palestrantes apresentaram dados de combate e prevenção ao óbito materno, além dos trabalhos executados nesta área durante o seminário online. Ao final, uma mesa redonda foi feita para analisarem as melhores formas de reduzir o índice de mortalidade materna dentro da área de atuação de cada profissional do evento. Uma das soluções apresentadas foi a humanização do parto nas maternidades públicas e um treinamento para profissionais da saúde (médicos e enfermeiros) com objetivo de reduzir a violência obstétrica. Já no âmbito municipal, desenvolver um acompanhamento aprimorado às gestantes para facilitar ainda mais o acesso ao atendimento primário.

Desde o início de seu mandato, a parlamentar acompanha a situação do Amazonas e tem elaborados projetos que visam contribuir com a redução do índice no Estado. Um exemplo é o Programa Sentinela da Vida que irá monitorar e identificar causas da morbidade materna (complicações graves que ocorrem durante gravidez, parto ou puerpério) a fim de evitar a mortalidade materna. Também propôs a prioridade para grávidas na fila do Sisreg na marcação de consultas e exames, e a disponibilização do exame ecocardiograma fetal durante o pré-natal na rede pública e privada de saúde – uma forma das gestantes identificarem com antecedência se o feto possui algum problema cardíaco.

O seminário “Políticas Públicas para a redução da mortalidade materna no Amazonas” está disponível no link: https://www.youtube.com/watch?v=ZVH6PvpLONo.



Artigos Relacionados

LEIA MAIS