TCE


Atualmente, os cavalos estão envolvidos em diversas atividades do dia a dia, não só na lida em fazendas, como também no lazer, em terapias assistidas e nas diferentes modalidades esportivas equestres. Os cavalos atletas, especialmente, possuem uma alta exigência física e, dessa forma, estão sujeitos a lesões que podem influenciar no desempenho esportivo ou até mesmo afastar precocemente esses animais da vida atlética. “Como consequência dessas lesões, há uma resposta inflamatória e álgica nos equinos, que deve ser tratada com bastante atenção, visando o bem-estar e a saúde desses animais”, afirma o médico-veterinário Kauê Ribeiro da Silva, Coordenador de Comunicação Técnica da Vetnil, uma das empresas líderes em medicamentos e suplementos para equinos no Brasil. 

É essencial estar atento aos sinais clínicos do animal, já que podem surgir condições álgicas (dolorosas), para que seja introduzida uma terapia adequada. “Uma simples alteração de comportamento, por exemplo, pode indicar a ocorrência de um processo inflamatório que deve ser diagnosticado e tratado precocemente, utilizando uma terapia preferencialmente multimodal que conte com medicamentos seguros e eficazes”, explica Kauê. 

O processo inflamatório consiste em um mecanismo de defesa do organismo frente a uma determinada lesão. Nesse contexto, estímulos nocivos causados, por exemplo, por lesões musculoesqueléticas, levam à injúria tecidual e ativam uma cascata de inflamação no organismo do animal. Em síntese, a membrana da célula é alterada e há ativação de uma enzima denominada fosfolipase A2, que permite a liberação do ácido araquidônico, presente normalmente em maior concentração na membrana celular.  A partir disso, haverá atuação de duas isoformas de uma enzima denominada Cicloxigenase (COX): a COX-1 e a COX-2, responsáveis pela produção de mediadores químicos. A via da COX-1, considerada constitutiva, está majoritariamente relacionada com funções fisiológicas e protetoras do organismo, como produção de muco gástrico, perfusão renal e função plaquetária. Já a via da COX-2, considerada indutiva, é expressada principalmente em reações inflamatórias, gerando prostaglandinas relacionadas aos sinais de dor, vermelhidão, aumento de temperatura local, edema e até perda de função de determinada estrutura, caracterizando os sinais cardeais da inflamação. 

“As manifestações mais comuns de condições inflamatórias e dolorosas são: queda no desempenho, claudicação, apatia, perda de massa muscular, entre outros, que afetam a saúde e o bem-estar do cavalo. Além disso, indiretamente, podem gerar impactos econômicos negativos ao proprietário, visto que o animal é afastado por tempo indeterminado das provas e o criador precisa investir no seu tratamento”, explica o coordenador de comunicação técnica da Vetnil. 

O controle da inflamação deve seguir um protocolo baseado em garantir o bem-estar do animal, melhorar o prognóstico e promover o retorno mais rápido possível dos cavalos às atividades equestres. Nesse contexto, é comum o uso de anti-inflamatórios não esteroidais (AINEs) devido às propriedades de controle da inflamação, analgesia e controle da febre, devolvendo conforto ao animal. No mercado, há diversos anti-inflamatórios convencionais (não seletivos) que são comumente utilizados na medicina equina, mas que podem ocasionar efeitos adversos significativos, principalmente gastrointestinais.  

Por possuírem uma ação mais abrangente na cascata da inflamação, a inibição da COX-1 acaba prejudicando processos fisiológicos importantes, como proteção gástrica, perfusão renal e função plaquetária. Dessa forma, a escolha de um medicamento seguro e eficaz para o tratamento dos cavalos pode incluir a opção de um AINE com ação seletiva sobre a COX-2. 

“Esse desafio de controlar a dor e a inflamação sem gerar outros riscos aos equinos tratados levou a Vetnil a desenvolver o Firocoxib Vetnil® Gel – anti-inflamatório não esteroidal que possui alta seletividade sobre a COX-2. Esse AINE é cerca de 640 vezes mais seletivo sobre a COX-2 em relação à COX-1 em equinos, o que proporciona benefícios ao organismo do animal, visto que há redução de possíveis efeitos adversos decorrentes da inibição da via constitutiva, como complicações estomacais. É importante lembrar que equinos, de forma geral, apresentam uma alta incidência de úlceras gástricas, devido a fatores como estresse, exercício intenso, manejo, dieta, raça, entre outros. Dessa forma, a preferência pela molécula firocoxibe tende a ser muito mais segura aos cavalos, especialmente quando se trata de terapias mais longas”. 

Firocoxib Vetnil® vem como uma solução prática e segura no manejo da dor nos animais. Possui apresentação em gel, o que garante maior facilidade para administração pela via oral. Com concentração de 1,2% de Firocoxibe, o anti-inflamatório da Vetnil confere alto rendimento: são 7 doses por seringa para animais com até 600kg de peso, possuindo também marcações intermediárias de meia-dose, o que permite 14 doses para animais de 300 kg. “A Vetnil trabalha para oferecer bem-estar e saúde aos animais. É nossa prioridade desenvolver produtos de excelência, altamente eficazes. Firocoxib Vetnil® Gel é uma dessas poderosas ferramentas que contribui com a sanidade do plantel brasileiro – notadamente de cavalos atletas”, finaliza Kauê. 

Sobre a Vetnil      

A Vetnil é uma empresa brasileira idealizada pelo médico veterinário Dr. João Carlos Ribeiro, em 1994, na cidade de Louveira (SP). Nasceu com a intenção de desenvolver produtos nacionais de qualidade a preços acessíveis para o mercado de saúde animal. Hoje é uma das líderes em medicamentos e suplementos para equinos no Brasil, com um portfólio sólido e reconhecido entre os profissionais do setor. Está presente em diversos países da América Latina, em especial, Chile, Colômbia e Peru, e também em países como Eslovênia, Angola e Emirados Árabes Unidos. Em 2020 recebeu o prêmio Melhores Empresas para Trabalhar GPTW Brasil no ranking Indústria.