TCE


“A instituição na qual eu sou presidente licenciado, a Associação dos Engenheiros e Arquitetos do Amazonas (AEAA), encaminhou para a Casa Civil do Governo do Amazonas um Projeto de Lei (PL) que visa a instituição no estado do piso mínimo para engenheiro, que será de oito salários mínimos por seis horas de trabalho”, explicou Alisson Leão, candidato a presidente do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Amazonas (Crea-AM) para um grupo de profissionais, nesta quarta-feira (18/10), no auditório da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Urbano e Metropolitano (Sedurb).

Alisson afirmou que a solicitação também será direcionada para as prefeituras a fim de que o piso seja cumprido. Enfatizou ainda que a fiscalização não terá como foco a punição do profissional, mas a orientação. “Vamos firmar parcerias com a Sedurb, com as prefeituras, com o Implurb visando a redução do valor pago pelo profissional para obter a ART (Anotação de Responsabilidade Técnica). Esse custo pode cair para R$ 13,00 por ART. A contrapartida do órgão será a contratação de um profissional habilitado. Dessa forma, iremos contribuir para a geração de emprego e renda”, afirmou.

Outro problema recorrente destacado pelo candidato é a contratação “mascarada”, engenheiros que são admitidos para executar a sua função, mas em cargos que pagam salários menores. “Tem engenheiro ganhando R$ 2 mil. Não recebe sequer o piso por ter sido admitido em função genérica, mas se algo der errado, terá de responder como engenheiro. Precisamos acabar com essas distorções sejam na indústria, no serviço público, no interior do estado”, destacou Alisson.

*Mútua mais próxima*

A candidata a diretora Administrativa da Mútua, Caixa de Assistência dos Profissionais do Crea-AM, Denise Braga, foi enfática ao afirmar que a entidade deve sair do anonimato para resguardar os filiados. “A Mútua, com um custo baixo, oferece uma série de vantagens para o associado e sua família que vão desde seguro, a auxílio desemprego, convênios com custo menor do que os praticados no mercado”, explicou.

O secretário da Sedurb e engenheiro civil, Marcellus Campelo, agradeceu a disposição do grupo “Crea para Todos” de esclarecer suas propostas numa conversa franca com os profissionais. Ao final do evento, Alisson e Denise reforçaram o pedido para que os eleitores fossem criteriosos ao escolher seus representantes. Pediram voto nas eleições do dia 17 de novembro para a mudança que constrói. “Esperamos contar com o seu voto no grupo do CREA para Todos porque entendemos que somente através de bom atendimento, da aplicação correta dos recursos e da aproximação do Crea e da Mútua dos profissionais será possível atender aos anseios”, expressou Denise Braga.