RB Bragantino também já encerrou o vínculo com o jogador após o atleta atropelar e matar um motociclista no interior de São Paulo

Após verificar e analisar todas as garantias jurídicas, o Palmeiras acertou a rescisão de contrato com Renan nesta terça-feira (2). A decisão foi tomada após o zagueiro atropelar e matar um motociclista em Bragança Paulista, no interior de São Paulo.

O jogador responde por homicídio culposo pela morte de Eliezer Pena, de 38 anos, que estava indo trabalhar na manhã do dia 22 de julho enquanto o atleta voltava de uma festa em uma cidade vizinha. Além disso, ainda há os agravantes do atleta estar dirigindo sob influência de álcool e com habilitação vencida. A pena pode chegar a dez anos.

Renan deixou a prisão após passar por uma audiência de custódia e pagar uma fiança de R$ 242 mil. Assim, a Justiça estabeleceu que ele deve comparecer em todos os atos do processo e que a quantia será destinada à família da vítima.

O jovem de 20 anos também foi proibido de frequentar bares e casas de shows, além de ter que entregar seu passaporte à Polícia Federal, ficando impossibilitado de atuar.

O Palmeiras entende que a ocorrência foi inaceitável por ter devastado uma família inteira, além de ter havido uma quebra de confiança na relação entre clube e jogador por conta das 24 multas acumuladas em um ano e permissão para dirigir suspensa.

O departamento jurídico do Alviverde buscou tomar as medidas corretas e concluiu que a melhor decisão seria a rescisão por justa causa. Vale lembrar que o clube se colocou à disposição dos familiares da vítima para prestar a assistência necessária desde o início.

Renan é uma ‘Cria da Academia’ e vestia a camisa do Palmeiras desde os 11 anos. Depois de fazer parte do elenco profissional do Verdão, além de ter conquistado o bicampeonato da Libertadores, ele acabou emprestado neste ano para o RB Bragantino, clube que também rescindiu o vínculo por empréstimo com ele após o ocorrido.

 

Fonte: R7

Foto: Divulgação