Nesta última segunda-feira (20), o Papa Francisco participou de audiência com 17 bispos da região amazônica. Na ocasião, o pontífice foi presenteado com um cocar.

Participaram do encontro bispos dos estados do Amazonas, Roraima, Acre e Rondônia. Na reunião, os religiosos discutiram assuntos sobre à realidade das comunidades católicas da região. Ao receber o presente, Francisco perguntou se era uma mitra, um paramento da Igreja Católica utilizado na cabeça.

O bispo de Porto Velho, Dom Roque Paloschi, disse que o encontro representou comunhão, esperança e coragem.

“De comunhão porque ele acolheu tudo aquilo que nós trouxemos da realidade de nossas igrejas na Amazônia. De esperança,  porque ele nos motivou a vivermos a nossa missão de pastores e não burocratas, de não perdemos este foco. E de coragem, para estar junto com as populações mais pobres e, sobretudo, que a igreja saiba respeitar as culturas, o desafio da encarnação”, disse.

Já o administrador apostólico de Roraima, monsenhor Lúcio Nicoletto, afirmou que o pontífice encorajou os bispos a atuarem “sem medo de encarar os desafios que nos apresenta o momento atual, que precisa de uma palavra profética para anunciar a esperança do Evangelho da vida, mas também denunciar tudo aquilo pisoteia os direitos fundamentais das populações indígenas e do cuidado com a casa comum”.

Nessa passagem pelo Vaticano, os religiosos visitam o túmulo dos apóstolos Pedro e Paulo e se reúnem com a cúpula da Igreja Católica para discutir os rumos das igrejas locais.

A visita ad Limina Apostolorum dos bispos do Amazonas, Roraima, Rondônia e Acre ocorre até sexta-feira (24).