Manaus – Na última segunda-feira (7), Yago Oliveira Silva, 27, foi preso pela equipe da Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS), pelo envolvimento no homicídio de Jackson Moura Fernandes, que tinha 27 anos.

O crime ocorreu no dia 24 de dezembro de 2021, no beco Mossoró, bairro Petrópolis, zona sul da cidade e os policiais cumpriram um mandado de prisão temporária.

Segundo informações do delegado Ricardo Cunha titular da DEHS, a motivação do crime foi o fato de Jackson se recusar a voltar a comercializar drogas.

“Durante as investigações, descobrimos que o mandante do crime foi Ricardo Teixeira de Araújo, conhecido como ‘Cacate’, que chefiava o tráfico de drogas naquela localidade. Ele ordenou que Yago, juntamente com um homem, identificado como ‘Adriano’, fossem até a casa de Jackson chamá-lo para uma conversa com ele”, detalhou Cunha.

“Ao chegar ao local combinado, Ricardo Teixeira pediu que Jackson voltasse a vender drogas para ele, porém o mesmo negou, alegando que já havia deixado a vida no crime e, inclusive, estaria trabalhando como barbeiro”, relatou o delegado.

O titular da DEHS contou que, após isso, foi armada uma emboscada para Jackson, na escadaria no beco Mossoró. Yago e Adriano efetuaram vários disparos de arma de fogo contra ele. Ainda no mesmo local, “Cacate” efetuou mais disparos e a vítima morreu local. Depois da morte dele, os envolvidos passaram a enganar a população, divulgando outra motivação para o crime.

Logo após a ação criminosa, os policiais da DEHS iniciaram as investigações e chegaram até a identificação de Yago, como sendo um dos autores do crime. Foi solicitado à Justiça mandado de prisão em nome dele e, após a ordem judicial ser expedida, Yago foi preso na comunidade Novo Reino, bairro Tancredo Neves, zona leste.

“Quem tiver informações acerca da localização de ‘Cacate’ e Adriano deve entrar em contato pelo (92) 98118-9535, disque-denúncia da DEHS, ou pelo 181, da Secretaria de Segurança Pública do Amazonas (SSP-AM). A identidade do informante será preservada”, afirmou Cunha.

Yago responderá por homicídio e foi conduzido à Central de Recebimento e Triagem (CRT), localizada no quilômetro 8, da rodovia federal BR-174, onde passará por audiência de custódia e ficará à disposição da Justiça.

Com informações da assessoria