Na manhã desta terça-feira, profissionais da Rede de Apoio à Criança e ao Adolescente de Rio Preto da Eva, participaram da oficina “Mobilizar e Agir”, do Instituto de Assistência à Criança e ao Adolescente Santo Antônio (IACAS). O evento, aberto ao público, foi realizado no Plenário da Câmara Municipal do município e contou com a participação de profissionais da segurança, do conselho tutelar, das secretarias de saúde, assistência social e educação, e da comunidade em geral.

“Pra gente é uma grande satisfação poder retornar aqui ao município pra fazer esta mobilização. Na verdade, o trabalho do IACAS é sensibilizar e mobilizar as pessoas para atenção e proteção integral de crianças e adolescentes, de uma forma muito especial às vítimas de violência e exploração sexual”, disse Amanda Ferreira, presidente do IACAS.

Foram realizadas palestras, bate-papos e rodas de conversas. Entre as palestrantes, estava a delegada titular da Delegacia Especializada em Proteção à Criança e ao Adolescente (DEPCA), Joyce Coelho. Ela falou sobre as experiências nesses 4 anos à frente da delegacia, os casos que mais chamaram a atenção, e falou sobre a importância de ter uma rede de proteção fortalecida e unificada. “É importante que a rede continue, que a rede entenda que cada um tem um papel fundamental, como a gente conversou aqui, cada elo é importante, a família, a saúde, a educação, todos tem um papel fundamental nessa proteção, todos são atores principais. Os serviços da segurança precisam do apoio da saúde, da educação, principalmente nessa questão de ser o porta-voz da vítima, que muitas vezes é violentada por alguém que deveria proteger”, concluiu ela.

O delegado de Rio Preto da Eva, Henrique Brasil, também participou da oficina. Ele explicou sobre a atuação da delegacia do município nos casos de violência contra crianças. “O nosso trabalho é integrado, temos a parceria com a SEMAS, CREAS, CRAS, Conselho Tutelar, Polícia Militar e Guarda Civil Municipal, qualquer um dos atores quando fica sabendo de algum caso, comunica o outro e juntos nós iniciamos os procedimentos. Por vezes a denúncia chega pelo conselho tutelar, que nos informa, ou pede auxílio para fazer atendimento no local, e se preciso a gente aciona os demais órgãos para proteger essas vítimas”, disse ele.

Durante as palestras, os profissionais do município puderam tirar dúvidas e debater o assunto, levando em conta a realidade da cidade. Para o presidente do Conselho Tutelar de Rio Preto da Eva, Daniel Deron, oficinas de capacitação como estas são de extrema importância. “Participamos e lidamos com isso diariamente no nosso município. Estamos aqui pra aprender e somar, e quem ganha com isso são as crianças e adolescentes que passarão a ter mais conhecimentos através de nós”.

*Com informações da assessoria