Amazonas – Foi sancionada a Lei nº 5.915/2022, que institui a Semana Estadual de Orientação Profissional para alunos regularmente matriculados no Ensino Médio em todas as unidades de ensino estadual e privada do Amazonas. De autoria do presidente da Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam), o deputado estadual Roberto Cidade (UB), em parceria com a presidente da Comissão de Educação, deputada Therezinha Ruiz (PL), a iniciativa visa auxiliar os alunos para que possam escolher suas profissões futuras e, consequentemente, dar aos agentes públicos perspectivas quanto às áreas que podem ser mais desenvolvidas, beneficiando o Estado e a sociedade.

“No Ensino Médio, as dúvidas e medos sobre o futuro profissional tendem a ser mais frequentes. Por isso, é importante que haja esse auxílio na escolha sobre o futuro profissional. A lei tem esse objetivo. Além disso, quando os agentes públicos têm subsídios para direcionar suas ações, se torna mais viável implementar os investimentos necessários. Essas informações podem também nos ajudar a preencher lacunas hoje existentes”, afirmou.

Conforme a Lei, a Semana Estadual de Orientação Profissional no Estado do Amazonas deve acontecer, anualmente, na semana do dia 28 de abril em alusão ao Dia Mundial da Educação. No âmbito da Assembleia Legislativa, a Semana deve ser organizada e realizada pela Escola do Legislativo Senador José Lindoso da Aleam, Escola Virtual do Legislativo e pela Comissão de Educação (COED/Aleam).

A Semana Estadual de Orientação Profissional contará ainda com a parceria da Secretaria de Estado de Educação (Seduc), Sindicato das Escolas Particulares (SINEP), Centro de Educação Tecnológica do Amazonas (Cetam), Universidade Federal do Amazonas (Ufam), Universidade do Estado do Amazonas (UEA) e Instituto Federal do Amazonas (Ifam).

Orientação profissional


Na orientação profissional é colocado à disposição um conjunto de ferramentas, entre eles testes psicológicos, que visam identificar características da personalidade do indivíduo, analisar as aptidões e preferências com o intuito de auxiliar no direcionamento para uma área profissional que se encaixe com o seu perfil.

 

“É importante permitir que o estudante tenha mais conhecimento sobre suas habilidades pessoais, aptidões e, além disso, que obtenha orientações sobre qualificação profissional, mercado de trabalho e oportunidades. É também de responsabilidade do poder público criar meios para que as carreiras sejam escolhidas e que elas contemplem as potencialidades regionais e nacionais. Autoconhecimento, conhecimento do mercado de trabalho e planejamento e projeto de vida são, resumidamente, os benefícios que devem ser alcançados com essa lei”, afirmou.