Imagens de câmeras de segurança mostram um passageiro sendo agredido por um homem dentro do vagão do metrô no Rio. Paulo Vítor Araújo sofreu uma lesão no olho e teve traumatismo craniano.

A ação aconteceu por volta das 23h do dia 7 de junho, e o suspeito, que estava acompanhado de uma mulher, é procurado pela polícia. O caso é investigado como xenofobia regional, já que a vítima é nordestina.

Paulo Vítor, que trabalha como sushiman, voltava para casa. Ele pegou o metrô em São Conrado, no sentido Uruguai, e no meio do caminho, perto da estação Antero de Quental, foi agredido, aparentemente sem motivo.

Em entrevista ao Bom Dia Rio nesta quinta-feira (28), Paulo Vítor disse que não conhecia o agressor.

“Não conhecia o cara, não conhecia a mulher. Não fazia nem ideia se era um casal ou não. (…) Pra mim foi uma coisa sem explicação. O que aconteceu eu sei, agora, o por quê é que tem que ser explicado, tem que ser identificado”.

“Quando eu levanto eu ainda faço um gesto com as mãos tentando entender o que tinha acontecido. Lógico que a ação gerou uma reação. Quem levantou para me agredir foi o cara, eu tava de cabeça baixa e jamais eu iria esperar uma agressão de surpresa e gratuita como a que eu sofri”.

A delegada Débora Rodrigues, da Delegacia de Crimes Raciais e Delitos de Intolerância (Decradi), fala em tentativa de homicídio.

“Eles não se conhecem, ele olha pra vítima e começa a agredir. Ele agrediu tanto… isso é uma tentativa de homicídio. Ele só não morreu por circunstâncias alheias. Ele teve traumatismo craniano, ele tem uma placa no rosto, ele tá com o olho diferente. A troco de que? De nada, não houve nenhuma discussão entre eles, não houve sequer uma troca de palavras”.

Fonte: G1