A Secretaria de Estado de Saúde (SES-AM), por meio da Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas – Drª Rosemary Costa Pinto (FVS-RCP), realizou, na manhã desta segunda-feira (27/09), uma webconferência para capacitar equipes de saúde do Amazonas sobre prevenção e controle da raiva em humanos. A iniciativa ocorre, também, em alusão ao Dia Mundial de Luta contra a Raiva, na terça-feira (28/09), para promover a luta contra essa doença.

Apesar de ocorrer inicialmente em animais domésticos, a raiva é de notificação compulsória (obrigatória) no Sistema de Informação de Agravos de Notificação (Sinan) do Ministério da Saúde (MS), devido a cães e gatos, principalmente, serem os responsáveis pela transmissão da doença para humanos.

Na prevenção à raiva, o Amazonas recebe doses de vacina antirrábica do MS e as distribui para os municípios do Estado. Em 2021, está prevista a distribuição de 680 mil doses de vacina antirrábica para a Campanha Anual de Vacinação antirrábica animal. Em 2020, foram 667.829 doses.

Os imunizantes são enviados e distribuídos para 100% da população de gatos e até 80% de cães do Amazonas. “Recebemos e distribuímos as doses que são destinadas para gatos e cachorros, os principais animais que transmitem a raiva pela mordida quando estão doentes”, detalha a diretora-presidente da FVS-RCP, Tatyana Amorim.

No Amazonas, a raiva já apresentou surto em 2017, com dois óbitos, após ser transmitida também por morcegos. “Nas décadas de 60, 70 e 80, a raiva apresentava notificação quando transmitida por cães e gatos, mas agora estamos identificando essa migração da doença para morcegos, que são animais silvestres no Estado”, disse o veterinário e webconferencista Hamid Ataide Miguel, da Gerência de Zoonoses do Departamento de Vigilância Ambiental DA FVS-RCP (GZ/DVA/FVS-RCP).

 

Agressões – Em agosto, técnicos da FVS-RCP realizaram uma visita técnica, a comunidades rurais de Coari (a 363 quilômetros de Manaus), para investigar agressões por morcegos hematófagos (Desmodus rotundus) e realizar a captura para controle populacional desses animais. Em Coari, em julho, foram registrados 20 casos de agressões por morcegos hematófagos (Desmodus rotundus).