Cleonice Vidal, uma das vítimas mortas por Lázaro Barbosa, foi estuprada e teve a orelha cortada quando ainda estava viva, afirmou Raphael Seixas, delegado-chefe da 24ª Delegacia de Polícia, em entrevista ao Cidade Alerta, da Record TV, nesta terça-feira (29).

 

Segundo Seixa, vestígios de crime sexual foram colhidos do corpo da vitima e um laudo previsto para sair na sexta-feira (2) vai identificar o autor. “Vamos ter que comparar o padrão genético dele com o vestígio”, afirmou. O material também terá o padrão genético comparado com o marido da vítima, que também foi assassinado.

A polícia acreditava que Cleonice havia perdido a orelha por conta de um tiro de raspão. No entanto, após análises mais detalhadas, investigadores acreditam que a vítima teve parte de corpo decepada quando ainda estava viva.

 

Seixas afirmou que uma digital encontrada na porta de acesso à residência da família Vidal comprova que foi ele quem cometeu o crime. “Também pelo fato de Cleonice ter sido levada, que é o modo de atuação dele”, complementa o delegado. “Teve outros dois crimes em que ele levou mulheres e consumou o estupro. O certo que a gente tem é que o Lázaro praticou ese crime.”

De acordo com Seixas, Cleonice chegou a pedir socorro a um parente, mas quando ele chegou, cerca de dez minutos depois, os três homens da família já estavam mortos e ela já havia sido levada pelo criminoso. A polícia investiga se Lázaro agiu sozinho. O crime contra a família Vidal ocorreu no dia 9 de junho e gerou a caçada de 20 dias que terminou com a morte de Lázaro na segunda-feira (28).

*Com informações do R7