Amazonas – Foram 26 ações de segurança e 4.578 motociclistas atendidos. Esses foram os números que envolveram várias equipes da montadora japonesa, em 5 Estados brasileiros diferentes, além de muitos parceiros, tanto da iniciativa pública quanto das empresas privadas que, juntos, buscaram conscientizar motociclistas visando maior segurança no trânsito e prevenção de acidentes.

Muito planejamento e dezenas de reuniões fizeram parte dos bastidores das ações da Yamaha no Movimento Maio Amarelo de 2022. As ações visaram a conscientização do condutor que utiliza a motocicleta para os mais diversos fins, desde o simples transporte para o seu trabalho ou escola, entrega de alimentos, até serviços de pagamentos, cobranças, transporte de passageiros e outras funções que têm aumentado o número de motocicletas no trânsito das cidades brasileiras, bem como a frequência mais constante nas ruas e estradas. Esse aumento na quantidade de motociclistas pode levar a um risco maior para aqueles que não estão tão bem-preparados e conscientes de detalhes de segurança muitas vezes tão simples que surpreendem àqueles que são conscientizados durante as campanhas de segurança da Yamaha.

Maio Amarelo

O Maio Amarelo é um movimento internacional de conscientização para redução de acidentes de trânsito e tem como objetivo chamar a atenção da população para o alto índice de mortes e feridos no trânsito no Brasil e em todo o mundo, colocando em evidência o tema da segurança no trânsito.

Dentre as prioridades da atuação institucional da Yamaha estão justamente as ações de educação no trânsito e segurança do motociclista. a Yamaha trabalha em parceria com a ABRACICLO, autoridades de trânsito, concessionários de rodovia e sua rede autorizada em todo o Brasil, para propagar as melhores práticas na manutenção e condução de motocicletas por meio de ações Pit Stop, Moto CheckUp e Palestras.

As ações do Maio Amarelo com a participação da Yamaha foram realizadas nos seguintes Estados e cidades (com o número de locais de ações): Pernambuco, em Olinda (1), Camaragibe (1)e Lagoa do Carro (1) e Barreiros (1); Santa Catarina, em Blumenau (1); Pará, em Belém (2); Amazonas, em Manaus (4); São Paulo, em Guarulhos (2), São Bernardo (3), Campinas (2), Rodoanel Oeste – Barueri (1), Rodoanel Sul (1), Ubatuba (1), São José dos Campos (1), Itaquaquecetuba (1), Osasco (1) e São Paulo (2), conscientizando os mais de 4.500 motociclistas citados.

Ação em Manaus/Amazonas

Durante as ações, no projeto PIT STOP, por exemplo, o motociclista passa por um circuito, onde recebe uma checagem de dezenas de itens de segurança da motocicleta. Em seguida, passa por um treinamento de ponto cego, que é uma instrução na qual o motociclista aprende a se posicionar melhor para ser visto pelos motoristas de veículos maiores. No final, após receber material educativo e informações sobre pilotagem segura, ainda ganha um vale da Yamaha para troca de óleo gratuitamente.

O diretor de Educação de Trânsito e Estatística do IMMU, um dos órgãos que participa das ações em Manaus/AM, juntamente com o Batalhão de Trânsito (BPTran) e Departamento Estadual de Trânsito (Detran, comenta a respeito que “percebemos que os condutores de motocicletas ficam surpresos ao perceber que se trata de uma atividade educativa”, isso porque a ação objetiva orientar os motociclistas sobre os itens obrigatórios e ainda sobre como manter a segurança no trânsito.

“O condutor de motocicleta se habilita e, com o tempo, acaba esquecendo o que aprendeu, então é com esta ação do Maio Amarelo que queremos contribuir para salvar vidas no trânsito”, afirmou o tenente José Francisco da Silva Monteiro, do BPTran, que participou tirando as dúvidas dos motociclistas e dando dicas sobre regras de trânsito.

Na ação realizada em Osasco, São Paulo, assim como em outras ações, os participantes receberam instruções por parte do YRA (Yamaha Riding Academy), que explicou através de exemplos práticos com um caminhão, a problemática do ponto cego, em que muitos motociclistas não têm a menor ideia de que, ao se posicionar na frente de um caminhão, parado no semáforo, não estão sendo vistos pelo motorista, correndo risco de uma colisão. Ao receber orientação sobre o ponto cego, o motociclista tem a motocicleta estacionada à frente do caminhão, então ele entra no caminhão, senta-se no banco do motorista, tendo a visão deste quando dirigindo no trânsito, e verifica in loco que o motorista do caminhão não consegue ver a motocicleta posicionada imediatamente à sua frente, mudando assim o comportamento do motociclista que, agora ao ter um conhecimento prático, irá evitar se posicionar nesse ponto de risco. Além desse ponto cego, existem outros, nos lados e atrás, por isso foi salientado o fato que o motociclista precisa levar em conta que ele precisa ver e precisa ser visto, para sua melhor segurança no trânsito.

Na cidade de Manaus, onde está localizada a fábrica da Yamaha, a ação de levar conscientização no trânsito, através de “blitz educativa” no formato “PIT STOP”, ocorreu no dia 11/05, na Avenida Brasil, no dia 18/05 na Avenida Cosme Ferreira e, no dia 25/05, na avenida Autaz Mirim, pela parte da manhã, e na Ponta Negra, pela parte da tarde. O encerramento foi realizado na Ponta Negra, com programação incluiu entre as atrações especiais como: aula de ritmos, vacinação contra a covid-19, influenza e tríplice viral, exposição de educação em saúde para prevenção de acidentes de trânsito, exposição e simulações de acidentes e resgates e equipamentos de primeiros socorros.

Ação em Manaus/Amazonas

Rafael Lourenço, Chefe de Relações Institucionais da Yamaha, disse que o Brasil é um dos países que mais registra vítimas de trânsito. “Só vamos mudar esse quadro se todos os agentes da sociedade civil trabalharem juntos. É exatamente isso que temos nesse evento de treinamento para os motociclistas”, ressaltou, complementando: “o importante é continuar com esse trabalho de ‘formiguinha’, que deve ser educativo, permanente e de longo prazo”, disse Lourenço.

Para mais fotos da Yamaha no Maio Amarelo acesse

https://1drv.ms/u/s!AhkAbfNjLAzNhpBsFwCViUWmTb-fdQ?e=P3OCzI

MAIS SOBRE A YAMAHA BRASIL

Há 65 anos, a Yamaha é conhecida mundialmente pelo ronco de seus motores, mas foi fabricando instrumentos musicais que começou suas atividades, em 1887. O logotipo, com os três diapasões sobrepostos deixa clara essa origem, simbolizando ritmo, harmonia e melodia.

A Yamaha Motor Company surgiu no Japão em 1955, quando a empresa passou a fabricar motocicletas, lançando a YA-1, a famosa Libélula, que já em sua primeira competição faturou as três primeiras colocações na desafiadora corrida de subida de montanha Asama Race.

No Brasil, a Yamaha se estabeleceu em 1970, sendo a primeira fabricante de motocicletas a se instalar efetivamente no País. Em outubro de 1974 passou a produzir em Guarulhos, São Paulo, tendo como primeiro modelo nacional, a Yamaha RD 50, eternamente lembrada como “cinquentinha”. Em 1985 inaugurou em Manaus, Amazonas, uma segunda unidade fabril, hoje a única, a Yamaha Motor da Amazônia Ltda.

Atualmente são 26 modelos de motocicletas comercializados no Brasil, 8 modelos WaveRunner (veículos aquáticos), 32 modelos de motores de popa e uma Rede com cerca de 370 concessionárias e pontos de venda autorizados e capacitados no atendimento e serviços com qualidade.

O Grupo Yamaha Motor no Brasil exporta para países como Estados Unidos, Canadá, Japão, Oceania e para o Mercosul e Europa. Mais que tecnologia e máquinas, o que diferencia a Yamaha são as pessoas e sua paixão pelo que fazem, todas com um único objetivo: o de gerar Kando através de seus produtos e as experiências que eles proporcionam.

Kando, em japonês significa o estado de espírito de uma pessoa ao se deparar com algo extraordinário o suficiente para gerar encantamento a ponto de fazê-la suspirar de satisfação. E é para arrancar suspiros assim que trabalhamos cada vez mais e melhor.