TCE


Um clássico da música e do balé mundial, “Dom Quixote” foi encenado na noite desta quarta-feira (12), no palco do Teatro Amazonas. A montagem, que integra a programação da Série Encontro das Águas, reuniu a Amazonas Filarmônica – sob a regência do maestro Marcelo de Jesus – e o Ballet Álvaro Gonçalves.

Livremente inspirado na igualmente clássica da obra literária de Miguel de Cervantes, o balé se tornou um repertório de grandes companhias de dança ao redor do mundo.

No palco do Teatro Amazonas, o Ballet Álvaro Gonçalves apresentou a coreografia original, criada por Marius Petipa e Alexander Gorsky. A Amazonas Filarmônica também executou a música original de Ludwig Minkus. A montagem original estreou em 1869, na Rússia.

“Foi um desafio grande fazer os alunos entenderem esse novo processo, de dançar acompanhando a orquestra. A gente geralmente dança com músicas gravadas. Essa nossa montagem é a original do Teatro Mariinsky, não sofreu adaptações. É um balé muito especial. A gente ri, se emociona”, afirmou Álvaro Gonçalves, bailarino, coreógrafo e proprietário da escola que leva seu nome da qual surgiu a companhia que se apresentou no Teatro Amazonas.

Como o inusitado é uma das características mais marcantes da Série Encontro das Águas, esta montagem de “Dom Quixote” tem mais de um elenco. A Belarte Amazonas se reveza com o Ballet Álvaro Gonçalves nas apresentações do balé, que ainda será encenado na sexta (14/07), sábado (15/07) e domingo (16/07), sempre às 20h.

*Alegria*

Para o maestro Marcelo de Jesus, idealizador da Série Encontro das Águas e regente do espetáculo, “Dom Quixote” representa a alegria dentro da gama de sensações que as apresentações da série suscitam. A Série Encontro das Águas este ano tem como tema a diversidade.

“O ‘Dom Quixote’ vem nos trazer a alegria dessa diversidade. É um balé que é uma festa. A música é super explosiva, o balé é super explosivo, não tem queda. É o segundo balé clássico que é feito no Amazonas com orquestra, um balé completo”, afirma Marcelo de Jesus.

O maestro também destaca o fato da montagem trazer a célebre coreografia de “Dom Quixote”. “É a coreografia original. Isso é muito importante historicamente porque, assim, a gente entra no rol dos teatros que fazem balé clássico, como o Teatro Municipal do Rio de Janeiro. Então, é o Teatro Amazonas entrando nesse meio do balé clássico”, disse o maestro.

De férias em Manaus, Paulo Henrique Félix ficou sabendo do espetáculo por meio da conta do Teatro Amazonas no Instagram. “Gosto muito de absorver a cultura do lugar quando viajo de férias. Fiquei sabendo pelo Instagram, pela página do teatro. Gosto de ter essa vivência de atividades culturais em outras regiões”, afirma Paulo Henrique, que é de Imperatriz, no Maranhão.

*Foto*: Fabrício Lira/ Divulgação