TCE


No dia 24 de julho, o Banco da Amazônia conquistou um importante reconhecimento ao receber a classificação de crédito “AA” da renomada agência de classificação Moody’s. Essa classificação reflete a qualidade de crédito elevada da instituição e sua capacidade de honrar compromissos financeiros de longo prazo, transmitindo solidez e confiança ao mercado.

A Moody’s é uma empresa de alcance internacional que oferece o mais alto nível de integridade, transparência e consistência em seus processos de classificação de risco. Seus ratings de crédito são baseados em metodologias que capturam os riscos e a dinâmica do mercado brasileiro, tornando suas avaliações altamente respeitadas no setor.

Vale destacar que a Fitch Ratings, outra agência de classificação de risco, também atribuiu ao Banco da Amazônia a nota “AA” em sua última revisão, consolidando ainda mais a confiança na instituição.

A decisão de buscar uma nova avaliação e acompanhamento por mais uma agência de risco, como a Moody’s, foi tomada pela Gerência Executiva de Controladoria (GECOR) do Banco da Amazônia com o objetivo de fortalecer a confiança do mercado e adotar boas práticas que impulsionem sua visibilidade.

José Aldo, Coordenador de Relação com Investidores do Banco da Amazônia, enfatizou a importância dessa avaliação positiva para a instituição e seus clientes. Ele afirmou: “A classificação é uma prova de confiança que os clientes podem ter no banco, demonstrando nossa sólida posição financeira e trazendo segurança para futuras parcerias”.

Essa classificação reforça o compromisso constante do Banco da Amazônia em ser a principal instituição de fomento da região norte do país. Além disso, a instituição se mantém engajada em buscar constantes melhorias que ofereçam facilidades aos seus clientes, sempre com foco em uma atuação sustentável.

Essa conquista consolida a posição do Banco da Amazônia como uma instituição financeira confiável e sólida, reafirmando seu compromisso em atuar como um catalisador do desenvolvimento regional, promovendo o crescimento econômico de forma responsável e consciente com os aspectos socioambientais da região amazônica.