TCE


Programa Desenrola Brasil, que foi estendido por mais três meses, até março de 2024, já beneficiou cerca de 11,5 milhões de brasileiros

O Ministério da Fazenda anunciou, nesta segunda-feira (29/1), que o programa Desenrola Brasil poderá ser acessado a partir de sites de bancos e plataformas de renegociação, conhecidos como birôs de crédito. A pasta ressaltou que essas são plataformas com as quais o público já tem familiaridade.

Ao entrar nos canais parceiros, o usuário já logado poderá ser redirecionado para a plataforma do Desenrola, onde conseguirá ver as dívidas e fazer os pagamentos com descontos.

O acesso ao site do governo federal a partir de outros canais estará disponível depois que for concluída a integração entre plataforma e parceiros. O governo não informou um prazo para isso ocorrer.

Lançado em 2023, o Desenrola é o programa de renegociação de dívidas de pessoas físicas do governo federal, cujo objetivo é limpar o nome de brasileiros endividados e retomar o potencial de consumo da população. O programa, que se encerraria em dezembro do ano passado, foi estendido por mais três meses, até março de 2024.

Até o momento, cerca de 11,5 milhões de brasileiros já foram beneficiados pelo Desenrola, com mais de R$ 34 bilhões em dívidas negociadas. Os descontos médios de 83%, que em alguns casos chegam a 96%, estão disponíveis até o final do programa, no dia 31 de março.

Outra novidade anunciada pelo governo é que quem tem cadastro no Gov.br, perfil bronze, poderá parcelar as dívidas renegociadas no programa. Até então, eram exigidos os nível prata e ouro. Quem tinha conta bronze só podia visualizar as dívidas e as propostas de negociação, mas precisava fazer os pagamentos à vista.

“A nova medida busca facilitar o acesso a benefícios que já estão na plataforma”, frisou o governo.

Cerca de 13 milhões de usuários com perfil bronze vão poder parcelar as dívidas usando o assinador digital fornecido pela entidade operadora do programa.

O que pode ser negociado

Continua vigente a faixa 1 do Desenrola, que consiste nas negociações feitas diretamente no site do programa. Essa faixa contempla pessoas com renda de até dois salários mínimos ou inscritas no CadÚnico. Ela engloba as dívidas que tenham sido negativadas entre janeiro de 2019 e dezembro de 2022, e não podem ultrapassar o valor atualizado de R$ 20 mil cada (valor original, sem os descontos do Desenrola).

Além das dívidas bancárias, como cartão de crédito, também estão incluídas as contas atrasadas de outros setores, como energia, água, telefonia e comércio varejista.

As dívidas disponíveis na plataforma podem ser parceladas até o valor de R$ 5 mil por beneficiário.

Entre os setores com mais renegociações em termos de valores estão os serviços financeiros (R$ 6 bilhões), seguido das securitizadoras (quase R$ 860 milhões), comércio (R$ 453 milhões) e contas de luz (quase R$ 254 milhões). Quanto ao gênero, 54,4% das negociações foram feitas por mulheres, enquanto os homens fizeram 45,6%.

 

Fonte: FA Noticias

Foto: Divulgação