A garantia de uma boa alimentação com preço acessível agora é realidade para pessoas em situação de vulnerabilidade social em Presidente Figueiredo (117 quilômetros de Manaus). A 14ª unidade do programa Prato Cheio foi inaugurada, nesta segunda-feira (13/06), pelo governador Wilson Lima, na avenida Joaquim Cardoso, bairro José Dutra. O espaço servirá 400 refeições por dia, de segunda a sexta-feira, no valor simbólico de R$ 1.

“O tempo que a gente tem aqui é para trabalhar. A gente não tem disposição para atacar quem quer que seja. O nosso tempo é para trabalhar, é para matar a fome das pessoas e é isso que nós estamos fazendo”, destacou o governador.

Na certeza de que agora terá uma alimentação de qualidade e com valor acessível durante toda a semana, Joana Cavalcante, 62, aguardava ansiosa a inauguração da unidade. Ela relata a importância e o impacto positivo que a unidade do Prato Cheio trará.

“Está sendo muito bem-vindo na nossa cidade de Presidente Figueiredo, até porque não só eu, como muitas pessoas precisam. O governador Wilson Lima pensou na população e que nunca falte”, disse Joana.

O programa é administrado pela Secretaria de Estado da Assistência Social (Seas) e Agência Amazonense de Desenvolvimento Econômico, Social e Ambiental (Aadesam). O Prato Cheio é dividido em dois serviços distintos: nos restaurantes populares, o almoço é vendido pelo valor simbólico de R$ 1 real, de segunda a sexta-feira, das 11h às 13h. Nas cozinhas populares, a sopa é gratuita e cada pessoa atendida tem direito a 1 litro do alimento, de sabores variados, de segunda a sábado, também das 11h às 13h.

Unidades entregues

O Governo do Amazonas já implantou, desde o ano passado, 14 unidades do Prato Cheio no interior. Receberam restaurantes populares as cidades de Manacapuru, Autazes, Itacoatiara, Tefé, Barreirinha, Parintins, Humaitá e, agora, Presidente Figueiredo. Já os municípios de Rio Preto da Eva, Tabatinga, Maués, Iranduba, Borba e Careiro Castanho ganharam uma cozinha popular.

Próximas inaugurações

De acordo com a Seas, outras duas unidades devem abrir ainda este mês junho, em Manicoré e Lábrea. Além de garantir alimentação de qualidade à população em situação e vulnerabilidade, o Prato Cheio também gera emprego nas unidades instaladas no interior e na capital.

FOTOS Michael Dantas/SEC