Brasil – O senador Flávio Bolsonaro defendeu nesta quinta-feira (24) o irmão Jair Renan, alvo de uma operação da Polícia Civil do Distrito Federal que investiga um suposto esquema de estelionato, falsificação de documentos, sonegação fiscal e lavagem de dinheiro. “Causou muita estranheza, porque é uma pessoa que não tem onde cair morta”, justificou.

O parlamentar também afirmou que o investigador está “procurando pelo em ovo” e sugeriu uma perseguição pelo fato de o alvo ser filho do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL). “Ao que parece, é, mais uma vez, uma perseguição desenfreada em cima de Bolsonaro e todo o seu entorno.”

Em nota, o advogado de Jair Renan, Admar Gonzaga, disse que o filho do ex-presidente “informou estar surpreso, mas absolutamente tranquilo com o ocorrido.” Ele destacou ainda que os policiais civis apreenderam um aparelho celular, um HD e papéis com anotações particulares na residência de Jair Renan em Balneário Camboriú (SC) e que “não houve condução de Renan para depoimento ou qualquer outra medida”.

A Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF) cumpre na manhã desta quinta-feira (24) mandados de busca e apreensão em endereços ligados a Jair Renan Bolsonaro, filho do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), conforme apuração da Record TV. A investigação apura um suposto esquema de estelionato, falsificação de documentos, sonegação fiscal e lavagem de dinheiro. Os agentes cumprem cinco mandados de busca e apreensão e dois de prisão em Brasília e Balneário Camburiú, em Santa Catarina.