InícioVARIEDADESHomem mata amigo em caçada após confundir com Javali

Homem mata amigo em caçada após confundir com Javali

Um homem morreu ontem após ser alvejado por um tiro disparado por um amigo durante uma caçada na Fazenda Paraíso, em Itanhandu, Minas Gerais. De acordo com a Polícia Militar, o suspeito assumiu a autoria do crime, mas afirmou que confundiu o amigo com um javali. 
Ele relatou que tentou socorrer a vítima, mas, por estarem em uma mata fechada, não conseguiu fazer o resgate sozinho, voltou à sede da fazenda e pediu para que chamassem a polícia.
O suspeito afirmou à PM que era amigo da vítima, Paulo César da Silva, 43, há muito tempo e que eles combinaram de ir ao local para caçar um javali que estava rondando a área. 
Ainda segundo o depoimento, eles avistaram o animal em meio à mata e a vítima realizou um primeiro disparo contra o javali. Neste momento, o suspeito pensou ter visto o animal correndo e realizou um disparo naquela direção. Foi então que escutou um grito e percebeu que havia atingido o amigo. 
O autor do disparo foi preso em flagrante e encaminhado para a Delegacia de Polícia Civil da cidade. A vítima portava uma espingarda calibre 28, e o suspeito, uma espingarda de calibre 32. Ao se apresentar à polícia, o homem entregou a arma, 10 cartuchos intactos e um cartucho vazio.
O local foi isolado pela Polícia Militar, que acionou a perícia técnica. Quando os trabalhos periciais terminaram, o corpo foi encaminhado para o IML de São Lourenço.
Amigos tinham licença para caça, mas não com arma de fogo De acordo com a PM, os dois caçadores possuem registro para posse de arma – permissão para ter -, mas não para porte – permissão para andar com ela. 
Eles também têm licença no Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis) para a atividade de manejo de fauna exótica invasora, que permite a caça de javali com emprego de armadilhas, ceva, espera, cães, faca, zagaia, lança, armas de pressão, arcos e bestas. No entanto, para utilizar armas de fogo, além do cadastro no Ibama, também é necessário ter o Certificado de Registro (CR) de Caçador do Exército, que eles não têm.
“Eles tinham autorização para ter arma em casa. Mas não tinham para transportar até o local da caçada. Nós acionamos a Polícia Militar Ambiental, mas não foi registrado crime ambiental pelo abate do animal por se tratar do javali, que não é uma espécie da nossa fauna”, explicou o tenente da Polícia Militar, José Ednilson Marcelino da Silva.
A caça do javali foi autorizada em todo o país em janeiro de 2013. De acordo com o Ibama, o animal nativo da Europa, Ásia e Norte da África é considerado uma das espécies exóticas invasoras mais prejudiciais ao meio ambiente e à economia.


Artigos Relacionados

LEIA MAIS