Relação extraconjugal e o desvio de R$ 200 mil, são os motivos apontados pela Polícia Civil como motivação para a execução do militar Lucas Ramon Silva Guimarães, de 29 anos, no dia 1 de setembro deste ano em uma cafeteria localizada na rua Airão, ao lado do Hospital Santa Júlia.

As informações foram confirmadas pela delegada Marna de Miranda, durante coletiva na Delegacia Especializada de Homicídios e Sequestros (DEHS) na manhã desta terça-feira (21).

De acordo com a delegada, o proprietário do supermercado Vitória, o empresário Joabson Agostinho Gomes, a esposa Jordana Azevedo Freire, só não foram presos durante operação na manhã desta terça-feira (21), porque houve vazamento da operação. Esse vazamento ou partiu da Polícia ou da Justiça já que o inquérito estava sob segredo de Justiça.

Lucas prestou serviços ao supermercado, o qual o principal suspeito do crime é proprietário. O envolvimento da vítima com a mulher de Joabson, teria começado em dezembro do ano de 2020.

Desvio de R$ 200 mil reais de supermercados

Ainda de acordo com as investigações da Polícia Civil (PC), Jordana teria dado à Lucas o valor em espécie equivalente à R$ 200 mil, que no dia 19 de julho de 2021 foi devolvido por Lucas para um funcionário do supermercado devido as ameaças que a vítima vinha vivenciado.

‘Tentaram meter o Pé’

A operação da Polícia Civil início por volta das 05h00 da manhã desta terça-feira (21), portanto, Joabson e Jordana, acabaram não sendo localizados, sendo assim, considerados foragidos.

Apresentação

Ainda no início da tarde desta terça-feira (21), os principais suspeitos de terem envolvimento na morte de Lucas, se apresentaram ‘na surdina’ sob a companhia do advogado do casal.

Em breve conversa com a imprensa, a defesa dos dois, Dr. Rafael Grosso, afirmou que o casal é inocente, e que não mandaram matar Lucas.

Segurança Armado

Na unidade do Vitória Supermercados da avenida Torquato Tapajós, polícias encontraram um revólver calibre 12 e 5 munições em posse de um funcionário que se identificou como segurança do local.

A Polícia Civil por meio da Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS) continua investigando as circunstâncias do crime. Joabson e Jordana estão a disposição da justiça.