TCE


Manaus – Mais de 44 mil torcedores amazonenses compareceram à Arena da Amazônia para prestigiar o jogo entre Flamengo e Audax-RJ, na quarta-feira (17). A partida entre os times é válida pela 1ª rodada do Campeonato Carioca 2024.

A Arena da Amazônia, desde dezembro, esteve em processo de revitalização. Foram feitas limpezas nas áreas internas e externas, nova pintura, recuperação do gramado e novo planejamento de identidade visual para a temporada esportiva de 2024.

A partida marcou o retorno do Flamengo à Manaus. A última vez que a equipe esteve na capital foi em 2016, quando foi derrotada pelo Vasco da Gama por 2 a 0, na semifinal do Campeonato Carioca. Na época, 44 mil torcedores foram prestigiar o clássico na Arena da Amazônia.

Nos pontos de entrada da Arena da Amazônia, muitas famílias empolgadas para assistir ao jogo. Para controlar a entrada de crianças, profissionais da Sejusc orientaram pais e responsáveis sobre as normas de segurança. Conforme a Portaria nº 001/2024-GS/SSP, não foi permitida a entrada de menores de 4 anos. Já para os menores de 5 a 15 anos, a entrada foi permitida com identificação e acompanhamento dos responsáveis.

Aos 5 anos, a pequena Sophia Lopes veio acompanhada da mãe para assistir a um jogo do Flamengo pela primeira vez. Empolgada, a mãe, Jéssyka Lopes, 32, contou um pouco da expectativa para o jogo.

“É uma alegria estar em Manaus, com uma boa organização, e trazer minha filha para assistir ao jogo. Já estive em um jogo no Rio de Janeiro e poder assistir aqui, na minha cidade, é uma experiência única. Entramos em segurança, tudo certo”, disse a enfermeira, Jéssyka Lopes.

Em um outro ponto do estádio, a família Silva estava fazendo uma comemoração dupla. A caçula, Gabriela Cristine, estava comemorando 10 anos. De presente, ela assistiu a uma goleada do time do coração: o Flamengo.

“Estou muito emocionado. Há muito tempo o Flamengo não vinha para Manaus. Para completar, hoje é aniversário da minha filha, que está completando 10 anos. Ela ganhou esse jogo de presente e não tem coisa melhor”, falou, emocionado, o pai de Gabriela, Magno Silva, de 31 anos.

 

Com informações da assessoria