Manaus foi uma das capitais selecionadas pelo Ministério da Saúde para ofertar o teste rápido de hanseníase de forma inédita na Atenção Primária à Saúde. Nesta segunda-feira, 6/6, a Prefeitura de Manaus iniciou a capacitação dos profissionais da Secretaria Municipal de Saúde (Semsa) que irão adotar a nova ferramenta na rotina de atendimento.

De acordo com a chefe do Núcleo de Controle da Hanseníase da Semsa, enfermeira Ingrid Santos, a secretaria já recebeu uma remessa de testes rápidos para iniciar a etapa de validação do processo. Inicialmente, o trabalho será desenvolvido nos Distritos de Saúde (Disas) Leste e Norte, áreas que possuem maior incidência da doença.

“O objetivo do teste rápido é detectar se os usuários terão ou não predisposição a desenvolver a doença no futuro. Se o resultado for positivo, ele será monitorado com mais atenção pela equipe multidisciplinar das unidades, e caso seja diagnosticado com a doença, a detecção será em tempo oportuno e vai evitar sequelas. Se for negativo, ele poderá retornar à unidade anualmente para seguir com monitoramento”, explicou.

Ingrid informou que o público-alvo são os contatos de pacientes diagnosticados com hanseníase, em tratamento ou já tratados. Segundo a enfermeira, cerca de 90% da população manauara possui uma defesa natural do organismo contra a hanseníase, mas 10% podem estar vulneráveis à doença.

“São considerados contatos os familiares ou amigos que convivem intimamente com o paciente, dormindo junto e compartilhando um ambiente fechado, há pelo menos cinco anos, pois os microrganismos causadores da doença precisam de um longo período de tempo para serem disseminados”, acrescentou.

Os profissionais selecionados para a primeira capacitação, iniciada nesta segunda-feira, são 12 médicos e enfermeiros da Atenção Primária. A programação será desenvolvida durante uma semana, dividida em duas turmas, sendo 8 horas de curso prático e 4 horas de conteúdo teórico.

Conforme Ingrid, foram selecionados 30 contatos para serem avaliados durante esse período de capacitação. Eles foram identificados a partir do Questionário de Suspeição de Hanseníase (QSH), aplicado em campo desde janeiro deste ano pelos Agentes Comunitários de Saúde (ACS), que está entre as estratégias da Semsa para combater a doença em Manaus.

“Essa capacitação é muito importante para que a gente possa estar habilitado e dar o melhor diagnóstico aos usuários da rede, e consequentemente, um tratamento adequado. É uma estratégia para contribuir com o acompanhamento dos pacientes, seus familiares, e reduzir ao máximo o número de novos casos da doença na cidade”, declarou o médico Ozilan Monteiro, que atua na Atenção Primária.

Assistência

A enfermeira Ingrid Santos destacou que a partir do momento em que o paciente é diagnosticado com hanseníase e inicia o tratamento, a cadeia de transmissão da doença é interrompida. Por isso, o teste rápido deve alcançar pessoas que conviveram intimamente com ele durante os últimos cinco anos, já que os contatos mais recentes e os próximos não serão afetados.

“O paciente em tratamento contra hanseníase não precisa ser estigmatizado ou isolado, como acontecia no passado. Ele pode viver normalmente, no mesmo ambiente que outras pessoas. Nós trabalhamos para detectar em tempo oportuno a fim de que esse usuário não desenvolva as sequelas graves que a doença ocasiona”, disse.

A ferramenta de diagnóstico ofertada ao público em geral na rotina de todas as unidades de saúde da Semsa é o exame de pele. Segundo Ingrid, é esse serviço que tem resultado na detecção do maior número de novos casos em Manaus.

“O problema é que como a mancha inicial na pele não coça, não dói e não incomoda esteticamente, as pessoas deixam desencadear a doença. Quando elas buscam a unidade de saúde, na maioria das vezes, já está sofrendo com perda de sensibilidade, de força, ou está com acuidade visual comprometida, por exemplo”, explicou.

A população pode buscar qualquer unidade básica de saúde para realizar o exame de pele, de 7h às 17h nas unidades regulares, e de 8h às 21h nas unidades de horário ampliado. A lista com endereços pode ser conferida no site da Semsa (semsa.manaus.am.gov.br).

Autoexame em estudantes

Dentro das ações da Semsa para combater a hanseníase, foi iniciada a realização do “Autoexame de pele virtual: rastreamento de casos de hanseníase e outras dermatoses”, que deve alcançar cerca de 150 mil estudantes de 257 escolas públicas da cidade.

O projeto vai disponibilizar um link para que estudantes possam responder um questionário on-line, com apoio dos pais, para identificar possíveis alterações na pele que indiquem casos suspeitos de hanseníase ou outras dermatoses. O projeto será desenvolvido entre julho de 2022 até novembro de 2023, tendo a parceria da Secretaria Municipal de Educação (Semed), da Secretaria Estadual de Educação (Seduc) e da Fundação Alfredo da Matta (Fuam), abrangendo alunos de 196 escolas municipais e 61 estaduais, que já estão inclusas no Programa Saúde na Escola (PSE).

Dados

Manaus registrou 103 novos casos de hanseníase em 2021, incluindo sete casos em menores de 15 anos. Neste ano, de janeiro a maio, foram 42 novos casos registrados, sendo cinco em menores de 15 anos. Os dados são do Sistema de Informação de Agravos de Notificação (Sinan).

A hanseníase é uma doença infecciosa crônica, causada pelo Mycobacterium leprae, também conhecido como bacilo de Hansen. A transmissão ocorre quando uma pessoa doente, sem tratamento, elimina o bacilo por meio de secreções nasais, tosses ou espirros, transmitindo para pessoas sadias que convivem próximo e por tempo prolongado no mesmo ambiente.

Foto – Camila Batista / Semsa