Estudantes de todo Brasil, fazem o segundo dia de prova do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio

O MEC (Ministério da Educação) anunciou, no dia 9 de junho, que parte dos recursos cortados do orçamento de institutos e universidades federais serão remanejados para outros órgãos. A informação foi divulgada pela Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes).

“Metade dos 7,2% ainda bloqueados, o equivalente à 3,2% do orçamento discricionário, será remanejada para outros órgãos para pagamento de despesas obrigatórias, representando uma perda de mais de R$ 220 milhões em nossos orçamentos”, diz a nota.

A associação mostrou preocupação com a decisão e disse que isso torna a situação “insustentável”. A Andifes garantiu que trabalha para a reversão total do bloqueio que torna “inviável para as universidades manterem seus compromissos e atividades neste ano”.

O Conif (Conselho Nacional das Instituições da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica) também garantiu que seguirá em contato com o MEC, e com o Congresso, para “desbloqueio do orçamento que ainda está contingenciado e a recomposição do orçamento” que já foi cancelado.

Na semana passada, após anunciar um bloqueio de R$ 3,2 bilhões no orçamento das universidades e institutos federais, o ministério da Educação informou a liberação de metade da verba – ou seja, R$ 1,6 bilhão. De acordo com o UOL, o corte pode atingir a oferta de bolsas para alunos pobres e atividades como limpeza e segurança – essenciais para o funcionamento das instituições.

Com informações do UOL Educação