TCE


O acesso ao crédito rural é uma das principais ferramentas para o desenvolvimento do setor primário. Nos últimos dez meses, o Instituto de Desenvolvimento Agropecuário e Florestal Sustentável do Estado do Amazonas (Idam) contabilizou um total de 1.062 projetos elaborados e encaminhados aos agentes financiadores. Os valores das contratações de projetos de crédito rural somaram, neste mesmo período, um total de R$ 8,6 milhões para investimentos em atividades agropecuárias.
Para o diretor técnico do Idam, José Milton Barbosa, o crédito rural é um dos instrumentos indicados, dentre as políticas públicas, que permite ao agricultor o uso de tecnologias e práticas que potencializam o processo produtivo.
“Agricultor bem orientado e crédito devidamente aplicado proporcionam à família rural a oportunidade de acelerar suas buscas por melhoria de renda e bem-estar. O resultado é mais produtividade, rendimento do trabalho, aumento da produção por área e ainda o uso de animais de melhor genética. Ou seja, melhora a relação custo/benefício”, disse Barbosa.
No Amazonas, até outubro deste ano, as atividades agropecuárias que mais receberam incentivo por meio do crédito rural foram bovinocultura, avicultura, piscicultura, pesca artesanal, fruticultura, culturas industriais e grãos. No total, foram 490 projetos contratados pelos agentes financeiros, entre eles, os programas Afeam Agro, Pró-Mecanização e Pró-Calcário, financiados pela Agência de Fomento do Estado do Amazonas (Afeam); e o Programa de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf), financiado pelo Banco da Amazônia e Banco do Brasil.
De acordo com o gerente de Crédito Rural do Idam, o técnico em agropecuária, Luiz Antônio Nascimento, as técnicas e tecnologias disponíveis hoje para o desenvolvimento do setor primário exigem recursos financeiros para a sua implantação e manutenção.
“Consideramos a oportunidade de crédito como uma das principais ferramentas para o avanço do setor, uma vez que são dados ao agricultor familiar e produtor rural os recursos necessários para a utilização das tecnologias que garantem o aumento da produção e, consequentemente, da produtividade de suas atividades”, finalizou o técnico.
FOTO: Divulgação/Idam