Amazonas – A Polícia Federal do Amazonas deflagrou nesta quarta-feira (20) a Operação Uiara III que investiga o garimpo ilegal no município de Jutaí. São dez mandatos de busca e apreensão, e um dos  alvos são o prefeito da cidade, Pedro Macário Barbosa, secretários e assessores do município estão entre os alvos da operação suspeitos de cobrarem propina de garimpeiros.

De acordo com a Polícia Federal, trata-se da terceira fase da Operação Uiara que resultou na destruição de 131 balsas e na prisão de três pessoas envolvidas com garimpo ilegal em Autazes e Nova Olinda do Norte, em novembro de 2021, e na destruição de outras 34 embarcações usadas para a atividade ilegal em Borba, em dezembro passado.

Em novembro do ano passado, Macário foi preso com 257 gramas de ouro ilegal, avaliado em cerca de R$ 80 mil (na atual cotação), quando tentava embarcar no Aeroporto de Tefé com destino a Manaus transportando o material. Na ocasião, o prefeito informou à PF que o ouro foi adquirido de um cliente em razão de dívidas de comércio, mas ele não apresentou documentação que demonstrasse origem legal.

Ainda de acordo com a PF,” a investigação que visa desarticular organização criminosa voltada à prática de garimpo ilegal e demais crimes conexos, como corrupção ativa e passiva, crimes ambientais e possíveis outros ocorrendo em sua maior parte da cidade de Jutaí/AM. As penas, somadas, podem ultrapassar a 20 anos de reclusão”.

Operações

Em nota, a PF disse que na operação Uiara I, que teve como objetivo a retirada de garimpeiros ilegais na região de Autazes e Nova Olinda do Norte, foram destruídas 131 balsas, sendo três pessoas presas com 150 gramas de ouro extraído ilegalmente da calha do Rio Madeira.

Já na Operação Uiara II, que teve por objetivo a retirada de garimpeiros ilegais na região de Borba, foram destruídas 34 balsas.