O anúncio de que o projeto de construção do Memorial Encontro das Águas será “resgatado” e posto em prática pela atual administração municipal, feito pelo próprio prefeito David Almeida no início deste mês, repercutiu de forma positiva no meio político, mas precisa sair do papel o quanto antes, na avaliação do presidente da 10ª Comissão de Turismo da Câmara Municipal de Manaus (CMM), William Alemão (Cidadania). De acordo com o vereador, que tem insistido no assunto desde as primeiras reuniões da comissão, no início deste ano, a obra arquitetônica assinada pelo saudoso Oscar Niemeyer, representa um marco para a história da cidade e trará oportunidades de renda, tanto para empresários quanto para trabalhadores.

O processo de execução (ou não) do memorial é uma das metas de trabalho da 10 ª Comissão de Turismo, Indústria, Comércio, Desenvolvimento Econômico, Trabalho e Renda (COMTICDETRE), e tem sido monitorado por William Alemão e os demais vereadores que integram a instância.

Alemão voltou esta semana ao local, onde deverá ser erguida toda a estrutura do monumento, para verificar a situação da área e poder vislumbrar aquele que pode ser, segundo ele, um dos trunfos da cidade para a retomada econômica do pós-pandemia.

“Gente, é emocionante estar novamente no antigo Mirante da Embratel, conhecido também como Ponta das Lajes. No fim do ano passado eu estive aqui e mostrei o estado de abandono. Ainda bem que o prefeito enxergou isso, trouxe o pessoal da limpeza e irá ressuscitar esse projeto, tirar da gaveta, porque a zona Leste merece. É um projeto de um cartão postal que irá gerar emprego e turismo para a cidade de Manaus, por isso precisa andar logo”, sugere o parlamentar, enfatizando que uma das missões da COMTICDETRE está direcionada à geração de emprego e renda, com o incentivo à criação de novas frentes de trabalho, promoção de atividades de formação, qualificação e requalificação da mão-de-obra, além da realização de cursos profissionalizantes, formações humana e cidadã.

Em 2020, William Alemão postou vários vídeos nas redes sociais, como forma de “levantar a bandeira” em prol do memorial. A estratégia repercutiu bem e até incentivou que uma banda de rock fosse até o mirante para produzir um clip em relação à temática.

Idealizado para a Copa do Mundo de 2014, o novo mirante foi projetado em 2005 e custou R$ 600 mil aos cofres públicos à época.

Recursos
A ideia inicial era de que os recursos para a realização da obra, que seria executada no bairro Colônia Antônio Aleixo, fossem disponibilizados por meio de uma emenda junto ao Orçamento da União, a partir do Ministério do Turismo, no valor de R$ 46 milhões.

Oca
Caso haja mesmo progresso nas negociações e não haja modificação no projeto original, o Memorial Encontro das Águas será construído numa área prevista de 9.383,33 m². O complexo abrigará um pavilhão em formato de oca, com 35 metros de diâmetro na base e sete metros de altura, em cima da praça, e no subsolo deverá ser erguido um restaurante, com visão panorâmica do Encontro das Águas.