Foto: Augusto Ferreira

Em alusão ao Dia Nacional de Prevenção e Combate à Surdez, celebrado nesta quarta-feira (10) de novembro, o deputado Álvaro Campelo (Progressistas), que preside a Frente Parlamentar da Pessoa com deficiência na Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam), concedeu espaço durante Sessão Plenária na manhã desta terça-feira (09) a especialistas e organizações ligadas ao tema, com o objetivo de contribuir para prevenção e orientar a população sobre a saúde auditiva.

A fonoaudióloga, Mariana Pedrett, que é autora do livro “Três Orelhas”, explicou que a oportunidade serve também como alerta sobre os cuidados que a sociedade precisa ter com a audição. “Hoje, é um dia para se pensar e se falar sobre o assunto e trabalhar a importância da prevenção de pessoas que podem perder a audição ao longo da vida. O livro que eu escrevi vai ensinar primeiro como é que funciona a audição humana, e é uma coisa que geralmente você não vê nas escolas”, ressaltou Pedrett.

Na oportunidade, Álvaro Campelo repercutiu informações importantes sobre o tema. “Dados do IBGE atestam que no Brasil há cerca de 10 milhões de pessoas com algum problema de surdez. Já a OMS afirma que até o ano de 2050 teremos aproximadamente 900 milhões com o problema.
Existe uma grande dificuldade para essas pessoas, seja no momento em que elas vão ao shopping, quando participam de um curso, ou quando disputam uma vaga no mercado de trabalho”, pontuou o deputado.

Entenda a deficiência

Uma pessoa pode desenvolver uma deficiência auditiva de várias formas. Quando é congênita, significa que a pessoa já nasceu com essa deficiência. Essa deficiência pode ser detectada nos primeiros dias de vida e ser tratada com sucesso. Quando é adquirida, a pessoa passou por alguma situação durante sua vida que causou um dano em seu sistema auditivo.

Surdez Adquirida

Existem vários fatores que podem levar ao surgimento de alterações auditivas; algumas são permanentes e outras transitórias. Vale a pena ressaltar que o aparecimento súbito de uma perda auditiva (surdez súbita) deve ser rapidamente diagnosticada para que o tratamento seja efetivo e a alteração ser revertida. Estes pacientes devem se dirigir ao pronto atendimento e serem avaliados por um médico otorrinolaringologista.

Estiveram presentes na Cessão de Tempo representantes da SEMED, SEMSA, SEDUC, além de instituições não governamentais como: Associação Nacional dos Surdos Oralizados (ANASO) e Associação Amazonense de Apoio aos Deficientes Auditivos e Usuários de Implante Coclear.

 

Fonte: Assessoria de Imprensa do Dep. Álvaro Campelo

Foto: Augusto Ferreira