Decisão de zerar imposto de concentrados afeta diretamente a permanência de gigantes do setor no Estado

Na noite desta quinta-feira (28), o presidente Jair Bolsonaro (PL) editou mais um decreto do seu pacote de isenções de tributos ー como medida para supostamente conter a inflação ーagora colocando em risco mais de 7 mil empregos de famílias amazonenses que dependem do setor de concentrados, zerando a alíquota do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) de bebidas não alcoólicas. Coordenador da bancada do Amazonas no Senado Federal, Omar Aziz (PSD-AM) classifica a decisão como mais um ataque que destrói todo um segmento da Zona Franca de Manaus (ZFM).

“O decreto acaba com um polo inteiro da Zona Franca de Manaus e o presidente sabe da importância desse segmento para o Amazonas, pois é um setor que gera empregos em Maués, em Presidente Figueiredo e em muitos outros municípios que produzem Açaí. O presidente tem consciência do que está fazendo, mas a troco de quê? Os concentrados não influenciam em nada a inflação”, questiona o senador.

O Senador do Amazonas reitera que mesmo com os ataques recentes à indústria local promovidos pelo Governo Federal, o Estado vai sobreviver pela força do seu povo e com a união da bancada amazonense para combater política e juridicamente a cruzada de Bolsonaro contra o modelo ZFM. Para Omar Aziz, com essas medidas, Bolsonaro mais uma vez demonstra não ter nenhum sentimento e respeito pelo próximo.

Em 15 de abril, o governo já havia reduzido em 25% as alíquotas do IPI, impactando todos os produtos industrializados, deixando de fora apenas os segmentos de armas e munições, fumo, bebidas alcoólicas, automóveis de passageiros e produtos de perfumaria. Segundo economistas e representantes da indústria amazonense, a decisão retira completamente a competitividade do Polo Industrial de Manaus (PIM), o que já resultou no anúncio de saída de empresas para outros Estados. Na época, o governo justificou a renúncia fiscal com o objetivo de estimular a economia brasileira.