Foto: Divulgação

O Projeto “Manaus Feita à mão” da Prefeitura de Manaus, por meio do edital da Secretaria Municipal do Trabalho, Empreendedorismo e Inovação (Semtepi), avança em mais uma etapa da capacitação de artesãos manauaras para o mercado do artesanato nacional e mundial. Em parceria com a Associação Zagaia Amazônia um conjunto de etapas de formação, aperfeiçoamento e iniciação no mercado artesanal estão sendo desenvolvidas.

Ao todo 20 artesãs da Associação das Mulheres Indígenas do Alto Rio Negro (AMARN), selecionadas pelo Departamento de Economia Solidária e Criativa da Semtepi, participaram, na última quarta-feira,14, de uma Oficina voltada para o aprimoramento dos produtos do artesanato manauara. Além das 20 artesãs mais 16 participaram como ouvintes. A Oficina é uma realização da Associação Zagaia em parceria com a design de produto Carol Oliveira, colaboradora de projetos do Studio Sérgio J Matos.

Conhecimento tradicional e técnico uniram-se para proporcionar às participantes, de forma prática, a utilização de novas ferramentas apresentadas na primeira fase do Projeto, que trouxe as tendências criativas mundiais e inspirações para novas coleções de artesanatos baseadas no desejo do consumidor.

Nesta segunda fase é o momento de aprimorar os produtos artesanais desenvolvidos sob a ótica do mercado nacional e mundial. De acordo com a Presidente da Associação Zagaia, Rozana Trilha, essa segunda etapa é de suma importância pois conecta teoria e prática, voltada para produção de produtos artesanais com valor amazônico e ainda assim afinados com a vontade do consumidor. “É neste momento que ao conectar esses conhecimentos que vão resultar em um produto mercadologicamente aceito que é fortalecida a geração de renda dos participantes a partir do mercado do artesanato, facilitando o comércio nacional e internacional, que serão as terceira e quarta etapa do Projeto Manaus Feita à Mão”, destacou Rozana.

Rozana também destacou que o Projeto Manaus Feita à Mão no começo era apenas presencial e agora com as adaptações advindas da pandemia tornou-se um programa hídrido (on line e off line) envolvendo 40 pessoas, 20 participantes da AMARN e 20 que estão sendo atendidos de forma individual e presencial, com duas horas de atendimento cada. “Queremos muito valorizar a identidade cultural da nossa região para que isso possa ser propagado na cidade e no mercado internacional. Iremos trabalhar toda essa questão cultural com um olhar para a floresta e expressar isso por meio do artesanato”, completa a presidente.

Para o Diretor de Economia Criativa e Solidária da Semtepi, Sidney Nunes, o objetivo maior é gerar renda e desenvolver os artesãos de forma técnica. “Nosso objetivo é a geração de renda, fomento e desenvolvimento para os artesãos de Manaus e junto com a Associação Zagaia será possível melhorar o desempenho do artesão, dar maior agilidade na realização dos seus trabalhos e fazer com que eles tenham mais produtos e de melhor qualidade para o público”, concluiu Nunes.

 

SOBRE A ZAGAIA

A Associação Zagaia Amazônia é uma entidade sem fins lucrativos que atua no desenvolvimento de projetos na área de Economia Criativa na Floresta há mais de 10 anos.
Seu foco é a utilização do Design como disciplina de transformação nas áreas de Cultura, Artesanato e Turismo, segmentos escolhidos para gerar impacto social e empoderar os povos do Norte do Brasil em uma nova economia.

Com este intuito, a Associação Zagaia Amazônia articula ações que permitem o alcance dos produtos materiais e imateriais da Amazônia brasileira ao mercado nacional e global.

 

Fonte: Zagaia Amazônia

Foto: Divulgação