Rio de Janeiro (RJ) – Uma mãe e dois filhos foram mantidos em cativeiro durante 17 anos. O crime foi denunciado em 2020, em uma clínica da família do bairro, mas nada foi feito. Somente agora, na última quinta-feira (28), a família foi libertada. Caso aconteceu em Guaratiba, no Rio de Janeiro (RJ).

Mesmo com as autoridades sendo avisadas, o trâmite de “empurrar” o problema para outro departamento resultou em mais dois anos de sofrimento para a família.

Nesta sexta-feira (29), a Polícia Civil comunicou que a Corregedoria abriu um procedimento para apurar os motivos de ter levado tanto tempo para que algo fosse feito.

Segundo a nota divulgada polícia, as investigações iniciaram em 2020, quando o caso foi registrado na 43ª DP (Guaratiba). Em seguida, foi encaminhado à 36ª DP (Santa Cruz). O texto diz que o inquérito foi enviado três vezes ao Ministério Público (MP) para providências, e que a última vez que retornou foi em maio deste ano.

Também por nota, a direção da Clínica da Família Alkidar Soares, que na época foi avisada da situação de maus-tratos, confirmou a denúncia e disse ter notificado o caso ao Conselho Tutelar da região. A direção ainda informou que os profissionais de saúde fizeram várias tentativas de entrar na casa, mas o morador nunca permitiu a entrada no imóvel.

A Polícia Militar, informou que não encontrou nenhum documento oficial sobre a denúncia feita em 2020. Após dois anos e com nova denúncia, a PM foi até o local e soltou a família.

Ao serem libertados, as vítimas foram levadas para o Hospital Rocha Faria por estarem em estado grave de desnutrição e desidratação.

O pai das crianças e marido da mulher, Luiz Antonio Santos Silva, foi preso pelo crime.

Fonte: Msn