TCE


Através de uma parceria com a
Receita Federal, o Instituto de Desenvolvimento Tecnológico (INDT), realiza o
projeto Fronteira Tech, que visa o melhoramento do controle da fronteira entre
o Brasil e o Paraguai, por meio de tecnologia de reconhecimento facial e de
placas de veículos.
A fronteira entre Brasil e
Paraguai, exatamente na famosa Ponte Internacional da Amizade, localizada entre
a cidade de Foz de Iguaçu (PR) e a Ciudad del Este, ganhou um reforço em
relação ao monitoramento de segurança e de inibição de crimes no dia 16 de janeiro,
devido à inauguração da Fronteira Tech, um sistema de segurança inteligente que
conta com um pacote de segurança com 70 novas câmeras, com capacidade de
reconhecimento facial e identificação de placas de veículos.
O projeto Fronteira Tech reúne conceitos
da Indústria 4.0 por meio de softwares de Big Data para armazenamento de
informações, de Internet das Coisas (IoT) para a criação de uma rede segura e
de rápida resposta e de Inteligência Artificial (AI) para ampliar o controle.
Para se ter ideia da importância
desse projeto, cerca de 100 mil pessoas e 40 mil veículos cruzam à fronteira
entre os dois países pela Ponte da Amizade todos os dias, sendo assim, o
trabalho de monitoramento é extenso. Porém, com o Fronteira Tech, a estimativa
é que o número de crimes de contrabando diminua significativamente, bem como,
que a identificação de pessoas procuradas que cruzam a fronteira seja mais
efetiva e precisa.
Todo esse equipamento do
Fronteira Tech fora adquirido pela Agência Brasileira de Desenvolvimento
Industrial (ABDI), que está ligada diretamente ao Ministério da Economia, à
Receita Federal e ao Instituto de Desenvolvimento Tecnológico. Além dessas
parcerias, o projeto ainda contou com o apoio do Governo do estado do Paraná e
da sociedade civil.
Dessa forma, com a inauguração do
novo sistema de monitoramento, a segurança entre a fronteira Brasil e Paraguai
aumenta exponencialmente, somando-se às diversas iniciativas de segurança já
instaladas na área, tais, como: o Centro Integrado de Operações de Fronteira
(Ciof) e o tratado de Cooperação com os países do Mercosul para Operações
Integradas.
Portanto, todas as imagens e
informações obtidas através do Fronteira Tech, serão repassadas imediatamente
ao Ciof, que tomará as medidas necessárias de segurança.
Mais detalhes sobre o Fronteira
Tech
O Fronteira Tech envolve uma rede
de iluminação pública inteligente, com duas câmeras em cada um dos 33 postes
nas entradas e saídas da Aduana; quatro câmeras fixas em pontos estratégicos;
11 sensores de tiro, que captam o áudio de disparos e a partir disso calculam a
localização do tiro; e sistema de identificação facial e reconhecimento de
padrões, softwares e big data. Além disso, ainda haverá 15 luminárias de LED
com telegestão – sobre as quais o operador recebe informações em tempo real – e
GPS.
O software de inteligência
artificial identifica padrões e gera dados que ajudarão no combate a crimes
como contrabando, descaminho e tráfico de drogas e armas. Se um carro for
roubado e passar pelo local, por exemplo, o sistema é capaz de identificar
rapidamente a placa e emitir um alerta. O mesmo ocorre com a identificação
facial para procurados da Justiça.
Esse sistema foi testado no
Living Lab, inaugurado em janeiro de 2019 através de uma parceria entre a ABDI
e o Parque Tecnológico de Itaipu (PTI). O Living Lab foi montado para
demonstrar e avaliar soluções para Cidades Inteligentes.
A expectativa é a de que o
projeto possa ser replicado em outras Aduanas brasileiras de fronteira, em
postos da Polícia Rodoviária Federal (PRF), em municípios com elevados índices
de criminalidade ou mesmo na segurança de empresas e parques industriais.
O investimento na aquisição,
instalação e operação dos equipamentos e softwares na Ponte da Amizade foi de
R$ 5 milhões.
Autoridades na inauguração do
Fronteira Tech
A inauguração do Fronteira Tech
contou com a presença de diversas autoridades, dentre elas, o governador do
estado do Paraná, Carlos Massa Ratinho Junior; o secretário de Estado da
Segurança Pública, Romulo Marinho Soares; e o ministro da Justiça e Segurança
Pública, Sergio Moro.
Sobre o INDT
O Instituto de Desenvolvimento
Tecnológico (INDT) é um centro de pesquisa e desenvolvimento (P&D)
independente e sem fins lucrativos, com o objetivo de gerar novos negócios de
base tecnológica, desenvolver produtos, soluções inovadoras e serviços para a
Indústria 4.0.